Cardeal brasileiro diz que Igreja acoberta abusos desde 1943