Na tarde desta quinta-feira, 29 de agosto, o presidente da Câmara de Vereadores, Ronildo Macedo (PV), acompanhado dos colegas Wilson Tabalipa (PV) e Vera da Farmácia (MDB) estiveram no conhecido “Buracão da Curitiba” que em 2017 ameaçou engolir casas do bairro Marcos Freire após intensas chuvas naquele ano. 

Na oportunidade todos os vereadores da atual legislatura se uniram para resolver o problema junto à prefeitura, no entanto é somente na atual gestão, que o problema começa a ser resolvido em definitivo.

Ronildo Macedo foi um dos vereadores que mais cobrou uma solução, e nesta quinta foi fiscalizar as obras de drenagem e aterro que estão em fase adiantada. O presidente parabenizou a gestão de Eduardo Japonês pela construção de uma praça no local. 

“Eu fiz uma indicação parlamentar para que fosse construída uma praça aqui, e fico feliz por este projeto estar saindo do papel e dando uma nova cara para este bairro, que era uma ferida aberta dentro da cidade”, resumiu Macedo.

VEREADORES

O vereador Wilson Tabalipa também salientou que a obra é importante para os moradores do bairro.

“Não há mais riscos para os moradores, e percebemos que a obra de drenagem está sendo feita de forma reforçada, e quando a obra estiver pronta dará conta das águas das chuvas. Além de que, a praça valorizará os imóveis e o bairro”, comentou Tabalipa. 

Vera da Farmácia salientou que há anos vem avisando às administrações sobre a importância de uma solução para o problema, mas que agora viu que o problema está praticamente solucionado.

 “Temos conversado com os moradores, que estavam com medo de suas casas serem engolidas pelo buracão que tinha aqui, agora eles estão vendo que o problema não existe mais. Parabenizo a atual administração pelo empenho na obra”, disse a parlamentar.

OBRA

De acordo com a Prefeitura, a obra no Buracão da Curitiba está dividida em três etapas e é realizada por três empresas. 

A Projetus, de Vilhena, executa o aterro da erosão, tendo despejado até o início desta semana um total de 6.426 cargas de aterro de 12,5 m³, que somam 80.325 m³. Após a conclusão dessa obra, a mesma empresa realizará a construção de um grande parque com área verde, academia ao ar livre e arborização nativa, no trecho em que a atual erosão encosta nas vias públicas do local.

 Por sua vez a JJ Construções, de Porto Velho, realiza a edificação do canal que vai receber a água das chuvas e também de um grande dissipador. Já foram construídos 74 metros de obra neste sentido, sendo 37 metros concluídos totalmente e outros 37 metros com ferragem, ainda à vista, com previsão para concretagem nos próximos cinco dias. A obra prevê 440 metros de canal.

Os trabalhos de drenagem na rua 743, que passa em frente à erosão, também já começaram e estão sendo realizados pela empresa Alto Rio, de Rio Preto da Eva (AM). A previsão da empresa é que as obras de drenagem e asfaltamento da rua estejam completadas ainda neste ano.

DICOM – Câmara de Vilhena