MalaguetaE O CONCURSO DA PREFEITURA?

Preocupante, com um histórico desfavorável, a prefeitura não consegue cumprir com os prazos estipulados por ela mesma. O secretário de administração tenta fazer mágica, primeiro informou erroneamente que somente duas questões seriam anuladas, sem nem mesmo saber dos recursos impetrados pelos candidatos. Para título de esclarecimento, mais de dez questões estão sendo questionadas por candidatos. Segundo especialistas da área de história pelo menos três questões dessa disciplina deverão ter o gabarito corrigido, caso não seja, candidatos devem recorrer ao Ministério Público, pois as mesmas chegam a afrontar nosso calendário cívico. Em uma delas informam que o território federal de Rondônia foi criado em 1856, quando o território recebeu este nome em 1956. Outra, definia o século XVII como o século do ouro no vale do Guaporé, o ouro no nosso belo rio foi descoberto e explorado no século XVIII. Ainda outra questão, agora sobre a estrada de ferro Madeira Mamoré estava completamente equivocada. Ainda encaminharam recursos questionando questões na área de informática e língua portuguesa também faz parte da pauta uma meia dúzia de disciplinas especificas. O IDECAN, instituto que realizou o certame não pode divulgar uma lista de aprovados sem primeiro informar o resultado desses recursos. A coisa se alonga e os candidatos se irritam e com todo o direito, pois ninguém aguenta mais tanta lambança. A prefeitura que já se prejudicou ao informar os prazos furados agora se faz de gato morto.

ESSES ERROS

São até comuns, a maioria dos concursos vivem problemas semelhantes, os erros não invalidam de forma alguma o certame, porém modificam a ordem da classificação. É muito importante às correções sob pena de candidatos envolverem órgãos judiciais. Depois, quando o caldo engrossar de vez, não digam que não sabiam. A postura “gato morto” é típica de quem não consegue dar rumo às coisas.

VIOLÊNCIA EM VILHENA

As pessoas estão assustadas tamanho índice de violência na cidade clima. Todos os dias o noticiário divulga matérias e imagens chocantes. Sequestros, assassinatos, roubo, estupros e muita violência doméstica. Seria bom alguém liderar um movimento articulando todos os órgãos de segurança no objetivo de prevenir e combater a onda de violência.

OUTRO PROBLEMA É O TRÂNSITO

Vilhena possui uma estrutura rodoviária até boa em relação a outros municípios, na área urbana pelo menos, temos boas condições de tráfego, o problema é a indisciplina, alta velocidade, falta de atenção e mau humor de motoristas estressados que fazem de pequenos problemas um verdadeiro inferno. No que diz respeito ao atropelamento do prefeito, apesar da falta de atenção, o mesmo cumpriu seu papel ao ficar no local e prestar atendimento chamando ambulância. Apesar de a assessoria divulgar nota elogiando tal conduta, é bom afirmar que o comportamento é uma obrigação e não um bom exemplo, independente do cargo todos devem se comportar de forma ética em casos semelhantes.

ESTUDOS COMPROVAM

Semana atrasada um estudo foi publicado na Folha de São Paulo dando conta de uma coisa que sem estudo algum a população Brasileira já sabia. A badalada e muito cara “Copa do Mundo”, não vai modificar o panorama econômico do Brasil, passado o evento futebolístico o povo brasileiro vai arcar com uma dívida de algumas dezenas de bilhões. Uma coisa deve acontecer, o Brasil será como nunca o foi, desnudado perante o mundo. Muitos sequestros, roubos e violência estarão estampados nos principais jornais em todo o planeta. Tem ladrão matriculado em cursinho de inglês, alemão, francês, com o objetivo de promover a criminalidade utilizando a língua pátria da vítima.

NOVA ONDA DE BAIXARIAS

Vem ai mais um Big Brother Brasil, ao lado de outros programas do gênero, tipo “A Fazenda”, dissemina uma infinidade de porcarias junto à população, fúteis, vazios, pornográficos, maldosos, sem graça e muito rico, a poderosa “rede bobo de televisão”, recebe toneladas de dinheiro ao apresentar programas desta natureza. Colaborar com a desgraça cultural é incentivar todas as mazelas sociais. O problema é que qualquer critica se esbarra nos intocáveis direitos da mídia que faz tudo o que quer sem limites, sempre acusam os críticos de promoverem a censura e ressuscitam o discurso sobre o regime militar. O blá, blá, blá não tem fim e programas nocivos à sociedade se proliferam sem que ninguém ou qualquer instituição possam impor regras em defesa da inteligência, valores sociais e bom gosto.

Até fevereiro