A Malagueta: Rover procura imitar Melki Donadon

2013-12-12T17:12:11+00:0012 dezembro, 2013|

O prefeito de Vilhena anunciou a intenção de se candidatar a prefeito em outro município, aqui a lei impede tanto ele quanto a primeira dama de se candidatarem a este cargo. Rover quer seguir o mesmo caminho que seus antecessores, a família Donadon, não há novidade neste tipo de comportamento. A notícia revela um plano que na verdade é antigo e utilizado por políticos em várias esferas. José Sarney, não podendo ser eleito no Maranhão, sua terra natal, se candidatou pelo Amapá. Em Rondônia a tentativa chega a ser comum, nem sempre com o sucesso desejado, recentemente, a esposa do detento Marcos Donadon, tentou se eleger a uma cadeira de vereadora em Porto Velho, o projeto não rendeu os frutos almejados. No ano que vem deve disputar uma vaga para deputada estadual. O sobrinho do senador Valdir Raupp, Assis Raupp, após ocupar uma cadeira como vereador em Porto Velho, se candidatou e foi eleito prefeito da cidade de Colniza no Mato Grosso. Agora “nosso prefeito” tenta um projeto que já foi realizado pelo ex-prefeito Melki Donadon. Melki se elegeu em Colorado, antes de se candidatar em Vilhena, seus irmãos se elegeram por diversas vezes no legislativo representando o Cone Sul. O projeto não conseguiu avançar, ficou prostrado somente na região, o grande objetivo do grupo era o de ocupar espaço no Estado como governador ou senador. A coisa ficou por aqui e pronto. O projeto do atual mandatário, se é que exista um neste sentido, nasce com um sério problema, ao contrário dos Donadons, Rover não conseguiu, pelo menos até agora, construir um substituto, um nome, para ocupar o espaço deixado aqui. Assim, pode até ganhar em outro lugar, porém aqui, perde espaço. Vilhena é o principal polo eleitoral do sul do Estado, não adianta ganhar lá e perder aqui. Outro problema do grupo atual é a aprovação popular, diferente dos gestores anteriores, o de agora não conta com a mesma “gordura eleitoral”. Zé Rover suou e muito a camisa para ganhar de um candidato bombardeado por todos os lados pela justiça! Em Vilhena todos sabem que em condições diferentes, ou seja, se Melki Donadon não fosse fichaa suja, Rover perderia de lavada.

Médica vilhenense se destaca em todo o Estado

Olha essa. A médica residente na cidade de Vilhena e que trabalha em Cacoal, infelizmente não trabalha aqui. Doutora Claudiana Cardoso de Lima. Demonstrou uma conduta humana digna dos grandes profissionais de saúde. Sabemos o quanto essa área é problemática e o quanto a população carente sofre por conta de a medicina brasileira se coadunar com o terrível capitalismo selvagem existente nos países subdesenvolvidos do mundo. A médica que estava se preparando para retornar a Vilhena, mesmo de pijamas, se deslocou com rapidez ao encontro a uma solicitação de emergência do hospital de Cacoal e atendeu uma vítima grave de acidente. A história virou notícia no Estado, esse é o tipo de informação que toda a imprensa deveria fazer questão de divulgar. Parabéns à médica, à saúde de Cacoal e aos veículos de comunicação que divulgaram o fato. Que outros médicos sigam o dignificante exemplo!

Adeus ao Zezinho Maranhão

Zezinho Maranhão foi assassinado, essa foi uma notícia que enlutou o universo cultural do Estado neste fim de semana que passou. Zezinho era um sujeito da paz, extremamente humano e amigo. Na convivência de muitos anos, revejo uma série de momentos felizes onde pude me deliciar com suas maravilhosas canções. Tivemos uma amizade muito grande, Zezinho era um frequentador assíduo das nossas rodas musicais, militante ativo da causa cultural. Fui informado através de telefonemas e notícias que revelaram mais um capítulo de horror gerado pelo tráfico e consumo de drogas em nosso Estado. Muitas saudades ficarão desse grandioso artista da música popular amazônica.

 A história do Brasil é uma grande farsa!

Tiradentes, Princesa Izabel, Pedro Primeiro, Duque de Caxias, etc. Nossa história é repleta de personagens resultantes de invencionices e maquiados segundo as conveniências do poder. Personagens que tiveram suas imagens construídas com a intenção de se criar uma exaltação heroica inexistente em nosso país, pelo menos por estes que figuram a história dita oficial em nosso país. A bem da verdade, o Brasil é o país da corrupção, propineiros, mensaleiros, escravocratas, latifundiários, arrogantes e inescrupulosos. Nossos heróis que ocupam os livros didáticos, em países sérios, ocupariam as páginas policiais, de Sarney a Valdir Raupp, de Lula a Getúlio Vargas, todas as figuras históricas citadas no início deste texto, são exemplos que não devem ser seguidos. Temos grandes personagens, grandes seres humanos, porém não agradaram ao poder, figuras como: João Cândido, “o almirante negro” da revolta da chibata, Plácido de Castro, “o libertador do Acre”, Candido Mariano da Silva Rondon, Emanoel Silvestre do Amarantes, Tereza de Benguela e tantos outros. Todos os governantes da história do Brasil colaboraram para o abismo de desigualdades existente em nossa sociedade. Não acreditem na história dita oficial. Ela é oficiosa! Mais uma história que era a oficial veio abaixo neste ano, foi confirmado: Juscelino Kubistchek realmente foi assassinado! O resultado da comissão da verdade revelou que seu motorista, Geraldo Ribeiro, levou um tiro na cabeça, momentos antes do acidente que vitimou JK. A história do Brasil é uma piada, a informação contada oficialmente durante a Ditadura, revelava que o homem que construiu Brasília e abriu a BR-364 e veio a Vilhena em 1960 teria morrido em um “acidente automobilístico” na Presidente Dutra se colidindo com um ônibus da Aviação Cometa. Juscelino, quando do tal acidente, se preparava para disputar a presidência da república. O “evento sinistro” retirou da vida pública o homem que com seu carisma e representatividade, ameaçava o regime militar. Sua vida estava sendo investigada pela famosa “operação Condor”, uma aliança conservadora entre as ditaduras da América do sul. Juscelino morreu em um acidente automobilístico após seu motorista ser alvejado na cabeça e perder o controle do carro. Nossa história é contada através de farsas pobres e ingênuas, desde a descoberta do Brasil por Cabral, outra estorinha mentirosa que é ensinada na escola para nossas crianças.

Ações positivas da OAB

O presidente nacional da OAB, Marcos Vinícius, informou que a entidade vem dialogando com o MEC a criação de estágios obrigatórios dentro dos presídios brasileiros. Informações levantadas principalmente por entidades de direitos humanos dão conta de um considerado número de pessoas dentro de presídios sem que tenham sido julgadas, outros casos chamam a atenção, como o de presidiários que já cumpriram as penas e não são soltos. A situação dos presídios brasileiros é vergonhosa, aliás, como quase tudo no país de bananas.

4 comentarios

  1. Zé do Choop 12 dezembro, 2013 at 5:40 pm

    Pô rondoniaempauta, fico esperando este malagueta a semana toda, não dá para publicar dois textos por semana? É muito bom, verdadeiro e dinâmico. Sobre o Rover imitar o Melki tenho a dizer que espero ver os dois se afogarem abraçados, bem juntinhos. Agora ficou comprovado, farinha púba do mesmo saco!

  2. Dionísio Guimaraes 13 dezembro, 2013 at 12:27 pm

    Pabens pela coluna. Sobre a história do Brasil o mais preocupante são os professores que atuam sem postura crítica. Contam a história por estarem nos livros sem se incomodarem com uma análise mais politizada. Esse Rover é horível, nem falar sabe, quanto mais administrar!

  3. amarildo 13 dezembro, 2013 at 12:33 pm

    Parabéns pela coluna. A história do Brasil é realmente uma farsa, os professores de história os farsantes que contam sem fazer uma análise crítica. É uma pena a realidade brasileira e seus professores tão mal preparados. O Zé Rover é horrível, não sabe falar nem tão pouco administrar. Pobre povo de Vilhena.

  4. Julia 16 dezembro, 2013 at 8:46 am

    A oratória do Zé Rover é pessima, aliás dele e de todos os seus assessores. Os vereadores falam melhor que os do prefeito.
    é pra cabá.

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.