No local passam caminhões caçamba da empresa JK e não há um poste apesar dos moradores pagarem a taxa de ilumincação

DSCN4034[dropcap]O[/dropcap] protesto iniciou às 9h desta segunda-feira (8) na Linha 1 do Setor Vilhena de Chácaras, aquela que continua da Av. Jamari e cruza a pinte sobre o Igarapé Pires de Sá.

Moradores reclamam que no local há uma placa que proíbe o tráfego de caminhões pesados, porém os caminhões caçamba da empresa JK, que realiza o recapeamento do BR-174, passam durante todo o dia puxando aterro. A ponte necessita de pelo menos 3 meses para secar e até lá está proibido o fluxo de transporte de carga pesada.

DSCN4036

A máquina da SEMOSP passou nesses dias removendo a terra, provocando o poeirão. Próximo à ponte há uma série de buracos que não foram tampados. “Tem meses que os caminhões passam por aqui e só foi molhado uma vez. Queremos que coloquem quebra-molas, a velocidade máxima é de 40 Km/h e eles passam correndo. Do lado da ponte só pode passar um carro por vez”, disse uma das mães de família.

DSCN4039

Os filhos dos moradores, que moram há 30 anos no local, estão sofrendo com doenças respiratórias provocadas pela poeira. O bloqueio continuará até alguma autoridade se apresentar e escutar as reivindicações dos manifestantes.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Por Hernán Lagos[/tab]
[/tabs]

[print-me]