Esta é a primeira vez que o Promotor de Justiça de Vilhena fala em público sobre a morte do seu filho

DSCN5902[dropcap]A[/dropcap] inauguração do Centro Socio Educativo “Rodrigo Favaretto Lermen” aconteceu às 16h desta segunda-feira (19) na rua Rio Grande do Norte nº 1868 no bairro Novo Tempo em Vilhena. A construção do prédio custou R$ 441.328,40 e proporcionará condições básicas para reabilitação de menores infratores

DSCN5899O evento contou com a presença do Promotor de Justiça Dr. Paulo Lermen, pai do homenageado, a esposa de Rodrigo, Arieli Oliveira de Campos e seus dois filhos, o prefeito José Luiz Rover, a primeira dama Lisangela Rover, a Promotora de Justiça Drª. Yara Travalon, vereadores, autoridades, imprensa e Guarda Mirim.

Após o discurso emocionado da Drª Yara Travalon, onde deu a conhecer que os recursos para a construção do prédio vieram de ações públicas e populares de dinheiro público mal aplicado, o promotor Paulo Lermen, já com lágrimas nos olhos, falou pela primeira vez em público sobre a morte do seu filho:

DSCN5878image7“Rodrigo se incomodava pelas injustiças cometidas na Justiça. Ele se negava a pegar casos que não defendessem a verdade, talvez por isso teve poucos clientes. Ele foi acometido por depressão e esquizofrenia, tinha o síndrome da perseguição uma doença que foi confirmada por psiquiatras dois dias antes de ele morrer. Acontece que ele não estava se medicando corretamente. Estamos criando um grupo nacional, uma comissão para dar assistência para famílias com pessoas com transtornos mentais. Há 7 anos que se desenvolvia essa doença em Rodrigo. Nesses 4 meses disse por escrito que se ele não morresse, esse seria eu, então ele tirou a vida por mim. A cada 40 segundos, uma pessoa se mata no mundo por transtornos mentais. Nunca uma pessoa normal vai decidir ceifar a própria vida. O nome do prédio é adequado para que os jovens não passem pelo que ele passou, porque ele não estava consciente naquela hora. Agradeço a homenagem”, finalizou Lermen.

Rodrigo Favaretto Lermen apresentou os primeiros transtornos mentais em março deste ano e tirou a própria vida na fatídica quarta-feira 3 de julho.

Relembre o caso: Filho do promotor Paulo Lermen se suicidou com um tiro na cabeça

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Por Hernán Lagos[/tab]
[/tabs]

[print-me]