França Silva da Rádio está indignado com decisão que não leva em conta a realidade do município

A indignação do vereador França Silva, se deu após o Governo de Rondônia publicar a Portaria nº 11, na segunda-feira (29), e incluir Vilhena na lista de municípios que devem voltar à Fase 1 do Plano de Enfrentamento à Covid-19, que estabelece que apenas serviços essenciais funcionem.

Conforme a Portaria, o fechamento dos comércios que não estão incluídos como serviços essenciais, devem fechar as portas a partir de hoje pelo prazo de 14 dias. Vilhena está na lista, baseado na divisão de duas macrorregiões que o Governo decidiu para enfrentar a pandemia.

“O governador não conhece a nossa realidade e quer meter o bedelho aqui, estamos longe de atingir a ocupação de 80% dos leitos destinados aos pacientes com a covid-19 e nossos profissionais da saúde tem se desdobrado para atender todos os casos. Eles estão de parabéns”, asseverou França.

De acordo com o decreto estadual e municipal, o fechamento dos comércios deveria ocorrer apenas quando a ocupação dos leitos chegue a 80%. No último boletim divulgado pela Prefeitura, Vilhena ainda estava em 36,8%, bem abaixo do previsto.

 “O Comitê e o prefeito são contra essa medida, do senhor Governador Marcos Rocha, que está penalizando os comerciantes que estão cumprindo todas as recomendações impostas pelo município que é o uso de máscara dentro dos comércios, tanto funcionários como clientes, e a disponibilidade de álcool em gel”, afirmou França, que é o representante do legislativo municipal no Comitê de Enfrentamento à Covid-19 e conhece de perto a situação de Vilhena e da evolução dos casos.

A grande preocupação do vereador é com o impacto que pode provocar o fechamento do comércio vilhenense. Os empresários já enfrentam dificuldades financeiras e o funcionário pode perder o emprego. A situação é acompanhada de perto por França, que nesta manhã já falou com o prefeito Eduardo Japonês a respeito dessa medida extrema do governo estadual. Uma videoconferência entre prefeitos do interior e o governador Marcos Rocha deve ser realizada, a fim de chegarem a um consenso.