Marcondes Cerrutti fiscaliza de perto andamento do projeto que vai recuperar bem histórico do município

O secretário municipal de Turismo, Indústria e Comércio de Vilhena, Marcondes Cerrutti, esteve em Porto Velho acompanhando de perto a fase final dos trâmites que deverão permitir, em breve, a reforma do espaço que hoje abriga o Museu Casa de Rondon. Junto do Governo do Estado, a Prefeitura de Vilhena trabalha há mais de um ano em cima de documentos, reuniões e solicitações em várias esferas do poder público estadual e federal a fim de destravar a obra, avaliada em cerca de R$ 600 mil.

Marcondes se reuniu com a Superintendência Estadual de Patrimônio (Sepat), na quinta-feira, dia 30 de janeiro, que revelou as etapas já realizadas e o que ainda falta para o tão sonhado museu vilhenense voltar à vida. O Governo vai agora se reunir com a Superintendência de Patrimônio da União (SPU) em Rondônia e também buscar a autorização de início da obra pelo Iphan, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Após isso, as obras começam com a Ordem de Serviço, a ser emitida pela Setur, a Superintendência Estadual de Turismo, onde Marcondes também esteve na semana passada.

“A obra já está licitada e tem contrato assinado com empresa de Vilhena. Após mais de um ano, tanto a Prefeitura quanto o Governo do Estado, que realizou a licitação, estão ansiosos pela liberação da autorização”, garante Marcondes.

O prefeito Eduardo Japonês lembra que, além de ter se comprometido com a solução deste problema crônico do município, a obra vai ser uma forma de conectar os vilhenenses com suas origens, valorizar a história local e zelar pelo patrimônio público.

“Pedi que acompanhassem de perto, para que tudo aconteça de forma ágil e garanta que, em breve, as pessoas consigam voltar a visitar o espaço. Vilhena é modelo para o Estado em vários aspectos, mas no resgate de nossa história estamos atrás. No entanto, agora estamos mais perto do que nunca de ver a Casa de Rondon ser reinaugurada. Agradeço ao Governo Marcos Rocha pela celeridade que deram a este importante projeto que estava tantos anos ‘travado’”, garante Eduardo Japonês.

Nesta segunda-feira uma remessa de documentos deve ser enviada para a SPU a fim de cumprir mais uma etapa na conquista da autorização para início da obra.

Semcom