valdete-savarisSegundo a vereadora os questionamentos e reivindicações foram levadas pelos pais e professores até ela. Confira:

1- Falta de orientadores concursados para atender as exigências do SOE Serviço de Orientação Educacional. Pois, estão lotados nas escolas neste setor servidores sem a formação exigida, com a justificativa de estarem readaptados e não ter onde colocar estes servidores. Há casos, em que são profissionais com apenas 3 horas extras diárias para atender turnos de 6 horas. Enquanto temos na rede orientadores concursados, com desvio de função, lotados até em outros órgãos. Há professoras cedidas de outro municípios, pagas pelo município de Vilhena, e que estão com desvio de função, tomando vagas e tantos outros que estão esperando para serem chamados pelo concurso público, essas professoras estão colocadas na  SEMED e em uma escola do município que tem na Orientação uma destas professoras sem estar readaptada, só para manter o favorecimento da irmã que também é cedida de outro município e ocupa cargo de confiança na SEMED, enquanto na mesma escola há sala sem professor. Nesta mesma escola, responde pelo SOE no período da manhã, um servidor sem formação para atender neste setor e sozinho atende mais de 500 crianças. Quando há muitos casos de pedofilia.

 

2- Falta de professores, formados na área que atuam, sem formação docente até, que lecionam para crianças em salas de aula, sendo que ocupam vagas de professores concursados que esperam ser chamados, em vão. Há casos de assessores lecionando, mesmo sem formação para professor, em séries de 6º a 9º ano.  Outro caso de uma servidora cedida, de outro órgão do município sem formação pedagógica, para lecionar para crianças, mas, atuando em sala de aula. Estes são exemplos de claro desrespeito com os professores aprovados no concurso.

 

3- Falta de supervisores, ou qualquer servidor que possa atender neste setor. Nas escolas, verificamos que a sala da supervisão fica fechada por todo o período matutino, sem ninguém para socorrer os professores em suas necessidades pedagógicas do dia-a-dia, total descaso com a Educação.

 

4- Há secretarias que estavam fechadas no período noturno por falta de secretário escolar, sendo que há uma fila de pessoas esperando serem chamadas pelo concurso, e 70% a 80% dos que atuam nas secretarias são assessores. Vimos escolas sem sequer um servidor para atender à população desde março até agora. Somente neste mês foi lotada uma servidora readaptada para socorrer a escola da maneira que pode.

 

5- O sábados letivos, sem aula, sem conteúdo, sem planejamento. Em que os professores são obrigados a trabalhar de copeiros, faxineiros na praça ou nas escolas fazendo lanche para ser servido nestes eventos e fazer palanque para a primeira. Num claro, flagrante de descaso com a Educação e fraude de dia letivo. Os professores são obrigados a comparecer e se submeter a força de dia letivo. Caso contrario, teriam de levar faltas, mesmo já tendo cumprido sua jornada semanal de trabalho. Pedimos que o Ministério Público investigue e puna estas mazelas e fraudes da Lei.

 

6- Mudança da nomenclatura da Creche 3 – que atende crianças de 3 anos para Pré-1. Como estratégia de burlar o plano de carreira que prevê que com 3 anos – na creche devem ter 2 professores para atender até 25 crianças. Nesta semana retiraram 1 professor de cada sala. Deixando apenas 1 professor para cuidar e educar crianças que ainda usam fraldas, mamadeiras e mal sabem se defender, sendo que ainda temos alunos com necessidades Especiais nestas creches, isso é desrespeito e abandono!

 

7 – Os cuidadores dos alunos especiais, foram afastados e nossas crianças estão abandonadas, inclusive alunos com necessidade visual sem alguém que as ajude em suas necessidades fisiológicas e higiene pessoal e acompanhamento durante período que está sobre responsabilidade da escola. Cabe ao professor abandonar a turma com mais de 30 alunos para acompanhar este aluno e atendê-lo em suas necessidades.

 

7- A qualidade e quantidade da merenda escolar nas escolas têm deixado a desejar. Precisamos que o CAE – Conselho de Alimentação Escolar nos responda. Pedimos que seu presidente compareça e apresente as planilhas dos últimos anos de merendas que foram entregues nas escolas, principalmente deste ano. Pois, temos denúncias que nos pedem para acompanhar e verificar a quantidade, a qualidade e a referência de distribuição por renda per-capita deste programa.

 

8- Recebemos denúncia de pais que nas escolas nem papel higiênico havia no ultimo mês para as crianças. Os alunos faziam suas necessidades fisiológicas e não tinha como fazer higiene. Pois, a SEMED órgão responsável informava que não tinha, e somente na última semana enviou 1 fardo para cada escola, independente do tamanho e do número de alunos.

9- Não há tonner nem sulfite nas escolas para que os professores usem com os alunos. As diretoras e diretores fazem milagre para atender as escolas com o mínimo necessário. Mas, a Semed ordena que o s diretores imprimam com o material próprio os convites para festas da SEMAS, eventos da Secretaria de Saúde. De onde sai o dinheiro para bancar a farra das propagandas dentro das escolas? Do Fundeb. Pois é com esse capital que as escolas pagam as papelarias, os sulfites que imprimem a divulgação das campanhas de outros órgãos e com conteúdos muitas vezes nada relacionados à Educação.  Nesta semana a Secretária Adjunta determinou aos diretores que enviassem os convites para a festa do Dia das Crianças pelos alunos para promover a politicagem, só se esqueceu de mandar tonner e sulfite para isto. Os diretores que atenderam a ordem descabida, infringiram a Lei do FUNDEB, pois tudo que é adquirido com esta verba deve ser usado para a manutenção do ensino e não para outros fins, levando em consideração que nas escolas estão fazendo a famosa vaquinha para comprar tonner, sulfite e material pedagógico essencial para o desenvolvimento do ensino, que deveriam usar deste recurso que é o PDDE. Porém se não fizerem os convites os alunos deixarão de participar da festinha sendo essa para muito a única que recebe.

11- A grande pergunta é: onde está o conselho Municipal de Educação? Órgão que tem a competência de fiscalizar o cumprimento da Lei, formado em sua maioria por pessoas que obedecem às ordens diretas do secretário, e atende dentro do prédio da SEMED, Contrariando as ordens do Conselho Nacional de Educação. Aqui em Vilhena, este órgão infelizmente é uma piada. Não comparecem às escolas, não participa das mazelas sofridas por nossos educadores e educandos. Pedimos ao Ministério Público que investigue a atuação deste CME omisso. Denuncio aqui a falta de eleições democráticas para a composição do CME – preenchido por cartas marcadas. Para nada ver, nada fazer, nunca atuar. A Lei 152/2010 criou o sistema municipal de Educação. Composto pela SEMED e o Conselho fiscalizador. A grande pergunta é: No município de Vilhena existe um Conselho de fato? Onde está? O que faz? Para que serve? Convidamos aqui para se fazer presente, o responsável por este colegiado para responder as questões aqui apresentadas. Perguntar se tem acompanhado e verificado a quantidade, a qualidade e a referência de distribuição por renda per-capita do programa da merenda escolar.

Da redação do Rondônia em Pauta