Ensaísta Eduardo Coutinho será conferencista do XVIII SELL

2013-09-18T09:46:46+00:0018 setembro, 2013|

Com olhar critico sobre as questões literárias, Coutinho vê semelhança na forma com que grandes escritores escreveram suas obras

escritor[dropcap]O[/dropcap] escritor, ensaísta e crítico literário, Eduardo de Faria Coutinho, é um dos conferencistas confirmados para participar do XVIII SELL – Seminário de Estudos Linguísticos e Literários –, evento realizado pelo Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) da Unir – Campus de Vilhena e que, este ano, acontece entre os dias 02 e 04 de outubro.

Eduardo Coutinho é filho do historiador literário e ensaísta, Afrânio Coutinho, considerado um dos mais brilhantes críticos literário do Brasil. A exemplo do pai, Eduardo Coutinho se especializou em literatura e fez mestrado e doutorado em universidades americanas de renome. Atualmente é professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e atua também como professor visitante em várias universidades brasileiras e estrangeiras.

Coutinho publicou diversos livros, ensaios e artigos em jornais e periódicos especializados, sendo que o seu foco é a Literatura Comparada, com ênfase em Literatura Latino-Americana contemporânea.

Com olhar critico sobre as questões literárias, Coutinho vê semelhança na forma com que grandes escritores escreveram suas obras.  Em 2009, durante o III Encontro Nacional da Academia Brasileira de Letras (ABL), o ensaísta defendeu com maestria esse ponto de vista, destacando que esses autores usaram em seus textos os olhos sempre como elemento presente, com o intuito de conduzir os leitores a uma reflexão mais critica em relação aos problemas da época.

Para Coutinho, Machado de Assis e Guimarães Rosa são exemplos deste método. No livro “Dom Casmurro”, em várias oportunidades Machado de Assis fala dos olhos de Capitu. Nas obras de Guimarães Rosa a visão era fundamental, tanto que o personagem foi velado de óculos.

Numa análise acerca do método utilizado por esses autores, Eduardo Cunha acredita que o objetivo era chamar atenção para as mazelas da sociedade carioca na época do II Reinado. Em várias obras, conforme análise de Coutinho, nas entre linhas dos livros existiam criticas indiretas ao sistema do período, criando ou até mesmo despertando o senso crítico da população da época.

A técnica aplicada nesta analise estará à disposição dos participantes do XVIII SELL, que terão a oportunidade de acompanhar as analises literárias que serão feitas pelo professor-doutor em Literatura Comparada, Eduardo Coutinho.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Por Renato de Barros Monteiro[/tab]
[/tabs]

[print-me]

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.