A secretária estadual de estadual de educação Isabel de Fátima Luz visitou o município de Vilhena para conceder uma coletiva de imprensa no auditório da Coordenadoria Regional de Educação (CRE) nesta quinta-feira (11).

DSCN4151[dropcap]E[/dropcap]ntre os itens abordados pela secretária estão o final da greve, os avanços da educação de 2011 até hoje, confira:

Entre as melhorias na educação destaco o 40% de aumento nas gratificações para professores de sala de aula e a redução da carga horária de 30 para 20 horas. A gratificação para supervisor e orientador, que não havia. Em janeiro foi realizado um concurso público, 1144 professores estão sendo chamados, haverá outro concurso até o dia 31 de dezembro.

O PCCR foi aprovado em setembro/2012 e implantado em janeiro/2013. Foram implantados R$8 milhões em fevereiro, R$9 milhões marco, R$2 milhões em abril, até dezembro serão R$25 bilhões.

Salientou que indeferidos pelo PGE não entrarão, porque tinham perdido há uns 3 ou 4 anos na justiça.

Agora diretores são escolhidos pelas comunidades democraticamente, antes era por indicação política. No referente à valorização, o governo já fez sua parte e isso deve ser admitido, e estamos batalhando para fazer mais.

No referente à qualidade ensino, implantamos o próprio SAERO, sistema de avaliação interno, de Rondônia. Há outros, mas são externos, tem 20 estados que já tem e Rondônia devia ter. Na primeira avaliação formos péssimos em matemática e português.

Temos 30 mil alunos abandonados por governos anteriores,e o governador se preocupou. Não é o telecurso que vai resolver, é o trabalho nosso que vai levantar a autoestima dos alunos.

Contratamos a fundação Roberto Marinho. Da 6ª a 9ª série será através da Fundação Roberto Marinho, e do 1º a 3º ano com Airton Sena. O MEC vai financiar o gasto com a Fundação Roberto Marinho, segundo o ministro da educação, o recurso vai voltar, que já foi de R$ 2,5 milhões neste ano.

Temos mestrado na área de história na Católica, formação para professores, 20 escolas em tempo integral. O projeto não está capengando, mas estamos resolvendo as questões pontuais e estamos ampliando as escolas e reformando.

DSCN4152Adquirimos ônibus, 20 furgões para escola de tempo integral, vamos contratar estagiários, já há uma lei na assembleia.

O Proaf vai aumentar um real, a merenda vai aumentar R$20 centavos, porque recebemos do FNDE, o estado não tem contrapartida.

Na educação integral à tarde é reforço escolar, não para jogar bola.

Estamos trabalhando para melhorar a qualidade de educação e que o aluno seja beneficiado. Este é o nosso grande desafio, de que eles sigam na faculdade.

O ensino médio em Rondônia é de péssima qualidade. Fizemos propostas ao ministro: educação integral no ensino médio, linha de financiamento exclusiva para o ensino médio.

Fizemos nossas propostas e vamos ver se vai acatar e aceitar, teremos outra reunião em Minas e veremos se ele aceita.

A greve de 35 dias foi muito desgastante e estressante, não foi fácil. O governo decretou uma comissão para negociação de greve onde o secretário titular da pasta só participa quando é convidado, por isso eu não participava.

Abri o orçamento e falei dos R$933 milhões, a receita foi caindo, hoje são R$829 milhões, menos de 100 milhões. E não tem mais o valor que tinha. Dentro dos 25% que arrecada, 82% é comprometido com a  folha de pagamento.

Não posso cortar água nem luz das escolas, teve professor querendo cortar PROAF. A vigilância foi reduzida 25%, as escolas terão vigilância eletrônica e monitorada.

Os grevistas pediram 8% de julho a dezembro, mas o governo deu isso de agosto a dezembro, porque o governo tem que cumprir com seus compromissos. A ALE ajudou no percentual.

Esses valores estão condicionados para os anos que vem com a Transposição. Não tem dinheiro devido à baixa de receitas. Será mantido o pagamento em pecúnia. Seguindo os critérios entregues junto com os sindicatos. Ontem foi encerrada a greve. Mas agora é o momento das volta às aulas, o aluno tem direto a 200 dias letivos.

As férias de julho serão respeitadas, vamos repor as aulas aos sábados e em janeiro no ano que vem. Porque o ano que vem tem copa. O 5º tempo é para reposição de carga horária e não de dia letiva. Peço aos pais para fiscalizar para que as aulas sejam repostas. Não aceitem trabalho em troca das aulas. Umas escolas pararam, outras parcialmente e umas totalmente.

As férias são um direito e o sindicato optou por mantê-las. Por isso as aulas vão para sábado e janeiro.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Por Hernán Lagos[/tab]
[/tabs]

[print-me]