Cucaú e Edilsinho marcaram para o Lobo do Cerrado. Evandro Russo converteu duas vezes e manteve o Estrelão do Acre na vice-liderança no grupo A1, da Série D

Vilhena e Rio Branco-AC no Portal da Amazônia (Foto: Dennis Weber)

Vilhena e Rio Branco-AC no Portal da Amazônia (Foto: Dennis Weber)

Apesar de jogar em casa, o clima era de tensão no Vilhena. Sem reservas, o técnico Marcos Birigui colocou em campo o que tinha para enfrentar o Rio Branco-AC, que chegou como se fosse o dono da casa. Na arquibancada, os poucos torcedores que acompanharam o Estrelão do Acre, ditavam o ritmo. Dentro de campo, passes errados, chutes sem rumo, e pouca criatividade. As chances até apareceram para os dois lados. Mas, pelo Lobo do Cerrado, Souza e o jovem João Victor, de apenas 16 anos, não estavam inspirados. Brilhou a estrela de Cucaú e Edilsinho. Pelo Acre, Evandro Russo deixou sua marca duas vezes, e arrancou um empate, mesmo com um a menos, o que mantém o time acreano na segunda colocação do grupo A1 do Brasileirão Série D.

Desacreditado pela torcida, o Vilhena foi apenas com o goleiro Juliano no banco de reservas. E o técnico nem pensou em utilizá-lo. Já o Alvirrubro viu a oportunidade e vencer. Até teve, mas desperdiçou quando, já no segundo tempo, o goleiro aceitou o chute sem potência de Edilsinho. O placar final ficou em 2 a 2.

Implorando crédito

Com o apito sob o comando do árbitro goiano Osimar Junior, a partida teve início às 18h30. Precisando dos pontos e de uma vitória que trouxesse de volta a credibilidade, o Vilhena começou explorando o ataque, mas com inúmeros erros de passe. O que foi bem aproveitado pelo Rio Branco-AC. Tanto que aos 10 minutos, Carciano só foi parado pelo goleiro Wagner foi eficiente e segurou o chute do capitão acreano.

Empolgado, mas também zicado, Souza tentou um chute em direção a um gol, sem goleiro. A bola foi alta demais e o VEC perdeu a chance de abrir. No entanto, a segunda não viria tão tarde assim e aos 23 minutos Cucaú abriu o placar. O Alvirrubro seguiu o exemplo. Aos 28 minutos Russo, em um chute da lateral, tirou tinta do travessão e mandou a bola para fora. No minuto seguinte o camisa 7 fez uma nova tentativa e empatou o jogo em 1 a 1. O Rio Branco seguiu explorando os contra-ataques atrás de uma nova oportunidade.

De volta ao campo, o segundo tempo foi um espelho do primeiro. Sem criatividade, o jogo começou a ficar mais faltoso. Jean foi expulso por após levar o segundo amarelo, por reclamação. Pelo Vilhena, Edilsinho bateu para o Portela, a bola bateu em Souza que, distraído, perdeu a chance de dar sequência a jogada. Já o Rio Branco aproveitando as falhas do time rondoniense deu vários chutes a gol, todos mal sucedidos. Fora da pequena área, Evandro Russo chutou e deixou o goleiro Wagner sem chance de defesa. Aos 26 minutos, o Lobo viu o Rio Branco virar o placar.

O Vilhena tentou se recuperar. Da base, o jogador de 16 anos João Victor ficou de frente com o goleiro, tentou um empate mas perdeu uma das melhores oportunidades do VEC no segundo tempo. Perto do final da partida os ânimos do Vilhena aumentaram e, de esquerda, Edilsinho mandou a bola para o fundo da rede de Ricardo Vilar e conseguiu o empate aos 43 minutos. No restante da partida o Rio Branco tentou virar o jogo, mas os três minutos de acréscimos não foram o suficiente e a disputa terminou com o placar em 2 a 2.

Globo Esporte