A trégua de Natal na 2ª Guerra Mundial

2013-12-24T10:36:18+00:0024 dezembro, 2013|

Você sabia que dentro dos exércitos em guerras existem pessoas como você e eu? A guerra ao mesmo tempo que é fácil de entender, é também muito difícil. “Inimigo” – é o que pensam os soldados para conseguir atirar e matar o seu oponente. Pois se pensar “pai de família, ser-humano, amistoso e honesto” provavelmente não conseguirá atirar.

A prova disso?

Foi num inverno do ano de 1914 – Primeira Guerra mundial – Numa batalhe onde alemães haviam cavado uma enorme trincheira de um lado, e franceses e ingleses do outro. E daqueles largos buracos lamacentos eles atiravam uns contra os outros e muitos morriam diariamente.

Passaram-se dias de batalha até que os sons de tiros e explosões cessaram. Era natal. Uma estranha calma reinava. Os ingleses que observavam com binóculos a trincheira alemã, presenciaram uma inusitada surpresa: Os alemães estavam pendurando árvores de natal e muitas velas sobre sua trincheira, de maneira que os ingleses pudessem ver. Ouviram então os soldados alemães cantando Noite Feliz.

Não demorou muito para que um enorme coro pudesse ser ouvido de todos os lados e em três idiomas simultâneos cantando Noite Feliz –Em inglês, francês e alemão. Cada exército em sua trincheira, cantando em seu idioma.

Surgiram, algum tempo depois, placas levantadas da trincheira alemã com dizeres em inglê-ruim “You no fight, We no fight” (Vocês não lutam, nós não lutamos).

Do outro lado, na trincheira inglesa, surgiram placas com “Merry Christmas” (Feliz natal), assim se seguiu com várias placas de ambos os lados surgindo com felicitações de natal.

Um trégua mais que espontânea havia sido travada de maneira nunca antes vista. E não parou por aí: Oficiais se apresentaram, trocaram apertos de mão e presentes e, de uma maneira fora de controle, ninguém mais estava nas trincheiras. Todos os, até então inimigos, estavam juntos na terra de ninguém (espaço conhecido entre as trincheiras) conversando, bebendo cerveja, celebrando o natal, contando piadas, até que surgiu uma bola e começaram a jogar uma partida de futebol com 60 jogadores em cada time: alemães x ingleses (Diz-se que os alemães ganharam por 3×2).

Esse trégua-confraternização se espalhou por toda a trincheira. A guerra parecia não ter mais chance ali.

Fotos impressionantes tiradas nesse dia, como essa abaixo, ficaram para uma emocionada posteridade.

Soldados ingleses e alemães juntos em confraternização

Soldados ingleses e alemães juntos em confraternização

Essa surreal trégua se prolongou por dias. Os soldados de ambos os exércitos trocaram presentes, cartões de natal e cartões postais, trocaram cartas que deveriam ser entregues a entes queridos que estavam morando no país inimigo e fizeram amizades.

Os generais dos exércitos não gostaram nem um pouco do que estava acontecendo quando descobriram. Logo sérias ordens, sob pena de morte por traição caso descumpridas, deveriam ser cumpridas: A batalha devia recomeçar e assim teve que ser feito: cada exército voltou para sua trincheira e começaram a atirar uns contra os outros.

Estranhamente as balas de ambos os lados não passavam nem perto do “inimigo”. Todos estavam desperdiçando munição, atirando acima do “inimigo” para não acertá-lo.

O alto comando chegou a conclusão que aquela batalha jamais iria acabar se aqueles soldados continuassem ali. Ambos os exércitos substituíram os soldados ali e só assim a batalha pôde ter continuidade.

Hoje existe um marco nesse local, para lembrar a emocionante “Trégua de Natal” que houve em 1914.

É nessas horas que ainda vejo esperança.

Por Christian Gurtner

3 comentarios

  1. GEORGES 25 dezembro, 2013 at 8:55 am

    Fantastica a reportagem, porem hoje em dia como as guerras mudaram e nao sabemos mais quem sao os inimigos e tambem pela diversidade de religioes em paises diferentes, infelizmente esses atos nao acontecem, mas uma coisa e certa: Os soldados sao pessoas comums que escolheram defender a patria para que outros possam usufruir de liberdade e seguranca !

    SGT Filho, Georges
    Djibouti, Africa
    US Army

  2. denise 25 dezembro, 2013 at 9:52 am

    nossa muito linda esta historia segunda guerra mundia eu lembro do meu pai ele quem contava a historia ele veio fugido da segunda guera veio par o Brasil.nossa ele conta historia triste ele veio da hungria.

  3. Dante Ribeiro da Fonseca 1 janeiro, 2014 at 5:11 pm

    É uma história muito bonita, mas houve uma distração no título, pois o fato ocorreu na Primeira Guerra Mundial. Dante Fonseca

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informações para contato

Mobile: (69) 9 9929-6909

Web: rondoniaempauta.com.br