Um olhar sobre a nossa muralha (o Real Forte Príncipe da Beira)

2013-07-03T09:39:40+00:0003 julho, 2013|

[dropcap]O[/dropcap] Real Forte do Príncipe da Beira é um monumento que impressiona a todos que o visitam. Foi construído no Governo de Luis de Albuquerque Melo Pereira e Cáceres, o quarto governador  da Capitania do Mato Grosso. A obra monumental foi erguida entre os anos de 1776 a 1783. Luís de Albuquerque Melo Pereira e Cáceres recebeu a autorização, para sua construção, do Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho, primeiro ministro da Corte de Dom José I, Rei de Portugal.

Vista aérea do Real Forte Príncipe da Beira

Vista aérea do Real Forte Príncipe da Beira

A era pombalina, como ficou conhecido o período em que a corte portuguesa ficou sob o comando do Marquês de Pombal, marcou profundamente a Amazônia, não só pelo fato de se construir o forte na margem direita do rio Guaporé, mas, em função de uma série de medidas políticas e administrativas aplicadas na região, entre elas, a expulsão dos jesuítas com o objetivo de combater o intenso contrabando de ouro, pois, boa parte da riqueza produzida era destinada pelos jesuítas ao vaticano.

A montagem de um rígido sistema fiscal que visava aumentar a receita portuguesa, pois a arrecadação vinha sendo reduzida em função do esgotamento das minas no Brasil.
A criação da Companhia de Comércio do Grão Pará e Maranhão, que seria um instrumento organizador de toda a economia regional.

A construção do forte foi fundamental para garantir as intenções portuguesas na região, fazia parte de um amplo plano de consolidação da política portuguesa no extremo oeste da colônia, a medida possuía o objetivo de acabar com qualquer intenção espanhola de invadir, ocupar ou disputar as terras e as riquezas presentes na margem direita do rio Guaporé.
O Forte é um dos mais antigos monumentos históricos do Estado de Rondônia, o seu primeiro engenheiro, Domingos Sambucet faleceu vítima da malária, foi substituído pelo Capitão Engenheiro Ricardo Franco de Almeida Serra que deixou sua marca na arquitetura ao participar da elaboração de várias obras na região.

Ricardo Franco de Almeida Serra. Engenheiro que deu continuidade às obras no forte.

Ricardo Franco de Almeida Serra.
Engenheiro que deu continuidade às obras no forte.

Suas muralhas foram erguidas em uma localidade altamente estratégica, de forma a possibilitar a defesa, proteção e segurança da longa fronteira existente entre as terras portuguesas e espanholas.

Seus cinquenta e quatro canhões colocados no alto de suas muralhas intimidaram os adversários a ponto de não ser necessário o  disparo de um único tiro contra o inimigo, pois, sem poder de fogo equivalente, os espanhóis desistiram e não tentaram nenhuma ação contra os portugueses.

Os canhões principais foram transportados de Belém do Pará para a primeira cachoeira a montante do Madeira em Santo Antônio das Cachoeiras, a viagem entre a cachoeira de Santo Antônio no Madeira para o local da construção foi feita com a utilização de roletes. O trajeto foi vencido em cinco anos.

Centenas de escravos foram utilizados em sua construção, a maioria era composta por negros, mas também existe o registro do trabalho escravo indígena. Trabalharam ainda em sua construção, artífices, que eram trabalhadores livres e especializados vindos dos grandes centros da época.

A construção do Real Forte Príncipe da Beira é resultado de uma política expansionista portuguesa que pretendeu de forma contundente e irreversível o direito e posse sobre as terras guaporeanas também pretendidas pela Espanha.

Logo após sua inauguração, sem que se concluíssem os trabalhos de acabamentos, o Forte foi transformado em presídio e abandonado mais tarde, período em que foi saqueado por vândalos e invadido pela floresta. No início do século XX, foi encontrado pelo Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, que lutou por seu tombamento histórico, mais um belo feito do Marechal da Paz.

O primeiro comandante do Forte foi o Capitão de Dragões José Mello de Souza Castro e Vilhena, oficial português.

Hoje as muralhas do Real Forte Príncipe da Beira resistem ao tempo e ao desprezo, pouco conhecido e visitado, relembra homens de fibra incomum, que viveram numa época distante e inexistente, quando não havia impedimento para feitos fantásticos, heroísmo, coragem e determinação.

Suas pedras, entalhadas uma a uma se tornaram um símbolo, um mito, construído pelo desejo da conquista e ocupação das localidades mais difíceis isoladas e distantes do planeta e nosso país.

Emmanoel-Gomes-ArtigosO Príncipe da Beira, com suas fortes e imponentes muralhas, transmitiu paz, segurança e tranquilidade aos homens que habitavam uma localidade longínqua e isolada, ameaçados por mitos e mistérios fantásticos.

A muralha era mais que uma fortaleza, era uma divindade, reverenciada por todos, ela garantia a existência do dia seguinte, a certeza da vida e caminhada futura para as pessoas que ali, abandonadas na seiva feroz, escura, distante e opressora se encontravam.

Antigos moradores ainda hoje preservam uma relação quase que espiritual, revelam sentimentos de outrora que somente os mais sensíveis são capazes de entender, cultuar, preservar e respeitar.

Um comentario

  1. luciele ferreira 9 dezembro, 2013 at 6:34 am

    Rondônia é um Histórico com historias dolorosos como o engano do povo urbano para se tornar cerigueiros e o dominio dos grandes proprietários de terras (ex: historia de Chico Mendes… filme Amazônia em chamas relata essa historia)

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informações para contato

Mobile: (69) 9 9929-6909

Web: rondoniaempauta.com.br