Jurados reconheceram materialidade e autoria do crime, mas acolheram alegação de legítima defesa do réu. Crime aconteceu em novembro de 2016 em Chupinguaia (RO).

O réu Josuel de Moura, agora com 29 anos, foi absolvido pelo júri popular na terça-feira (20), em Vilhena (RO), na região do Cone Sul. Ele era acusado de matar o padrasto em novembro de 2016, em Chupinguaia (RO). Os jurados reconheceram a materialidade e autoria do crime, mas acolheram a alegação do acusado de legítima defesa.

Na audiência, o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) pediu a condenação de Josuel por homicídio simples. Já a defesa requereu a absolvição, argumentando que o réu agiu em legítima defesa, depois de ser agredido pela vítima. Ainda ressaltou que Josuel não teve a intenção de matar.

Depois disso, os jurados votaram e absolveram Josuel. Após a leitura da sentença, as partes manifestaram pela renúncia do prazo recursal. O réu já aguardava o julgamento em liberdade.

Crime

De acordo com a Polícia Militar (PM), o crime aconteceu durante uma confraternização em uma residência. Testemunhas contaram que o enteado e o padrasto começaram uma discussão.

Em seguida, Josuel utilizou uma faca de serra e golpeou a vítima no peito. Ele fugiu, mas voltou ao local, pouco tempo depois, assumiu a autoria do homicídio e foi preso em flagrante.

Na época, Josuel alegou que cometeu o crime para defender a mãe de agressões do padrasto.

Por G1 Vilhena e Cone Sul