Homem é condenado a 17 anos de prisão por matar mulher na frente dos filhos em Chupinguaia

2018-06-12T10:42:44+00:0012 junho, 2018|

Crime aconteceu em março do ano passado, em uma fazenda. Acusado alegou que agiu sob o domínio de violenta emoção.

Polícia Civil divulgou fotografia de Amado após o crime (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

O réu Amado Ramos Machado, de 42 anos, foi condenado a 17 anos de prisão, pelo crime de feminicídio privilegiado. A sessão do Tribunal do Júri aconteceu na segunda-feira (11) no fórum de Vilhena (RO), na região do Cone Sul. De acordo com as investigações da Polícia Civil, Amado matou a companheira, de 30 anos, na frente dos filhos. O crime aconteceu em março do ano passado, em uma fazenda de Chupinguaia (RO).

Os jurados reconheceram a materialidade e autoria delitiva do crime e acolheram a tese de homicídio privilegiado. O júri ainda reconheceu que o crime foi praticado em situação de violência doméstica e que a pena deveria ser aumentada em virtude de ter sido cometido na presença dos filhos da vítima.

Amado foi condenado há 17 anos, nove meses e 10 dias de reclusão; um ano de detenção, mais 10 dias-multa no valor de 1/30 do salário mínimo. O regime deve ser cumprido, inicialmente, no regime fechado e Amado não terá o direito de recorrer em liberdade.

De acordo com a Lei número 7.209/1984, “a pena de reclusão deve ser cumprida em regime fechado, semiaberto ou aberto. A de detenção em regime semiaberto ou aberto, salvo necessidade de transferência a regime fechado”.

G1 ainda não conseguiu falar com a defesa de Amado, para saber se irá recorrer da decisão.

O julgamento aconteceu no fórum de Vilhena (Foto: Eliete Marques/G1)

O julgamento aconteceu no fórum de Vilhena (Foto: Eliete Marques/G1)

Homicídio

O crime ocorreu no dia 19 de março de 2017, em um domingo. De acordo com o boletim de ocorrências da Polícia Militar (PM), uma mulher de 30 anos foi assassinada a tiros pelo próprio marido, na propriedade rural onde moravam, em Chupinguaia.

Na época, a vizinha contou à polícia que, horas antes, todos estavam reunidos na casa dela. Em certo momento, um dos convidados arrumou o aparelho de som a pedido da vítima e, como forma de agradecimento, ela teria lhe dado um beijo na bochecha. Porém, o marido não gostou do ato e, ao retornarem para casa, começaram a discutir.

Em seguida, a testemunha contou que escutou gritos vindos da casa da vítima e foi até o local. Ao chegar, encontrou a mulher sentada no sofá e o homem em sua frente, fazendo ameaças com uma arma de fogo.

Depois de conseguir acalmá-lo, a vizinha disse que saiu da casa, mas retornou, segundos depois, ao ouvir um disparo. O homem havia atirado, mas não tinha acertado a vítima. Quando a mulher gritou pedindo socorro, o marido teria apontado a arma na direção dela e efetuado cinco disparos.

Quando os militares chegaram até a fazenda, a mulher já estava morta e o suspeito foragido. As crianças, que viram a mãe ser morta, foram abandonadas pelo pai no local.

A Polícia Civil divulgou a fotografia de Amado, que foi preso no dia 24 de outubro. Ele confessou que matou Jalete Alves dos Santos Nogueira e alegou que agiu sob o domínio de violenta emoção por causa de injusta provocação da vítima.

A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público de Rondônia (MP-RO) e Amado foi pronunciado para ser julgado pelo Tribunal do Júri.

Por Eliete Marques, G1 Vilhena e Cone Sul