Fabiano Cesar Vergutz na Delegacia de Polícia Civil de Vilhena (Foto: Hernán Lagos)

Fabiano Cesar Vergutz na Delegacia de Polícia Civil de Vilhena (Foto: Hernán Lagos)

[dropcap]P[/dropcap]or um erro da defesa, que apresentou recurso antes da publicação da acórdão, o Tribunal de Justiça negou seguimento ao recurso ordinário impetrado pelos advogados de Fabiano Cesar Vergutz, acusado de matar a esposa, a designer Abla Ghassan Rahhal da Cunha, 33 anos, assassinada em 27 de abril. Desde que foi preso, em junho, todos os recursos apresentados pelo motorista de caminhão foram negados.

Segundo o Diário da Justiça, a publicação do acórdão mantendo a prisão de Fabiano Cesar Vergutz foi publicado no último dia 23 de julho, mas o recurso impetrado um dia antes, sendo portanto, “extemporâneo”.

[tabs]
[tab title=”Lembre o caso:”]Para família designer foi assassinada; marido é possível suspeito

Designer foi estrangulada, estuprada, espancada e enforcada; polícia descarta suicídio

Caso Abla: marido é preso suspeito de assassiná-la em Vilhena

Caso Abla: mensagens do celular de designer confirmam presença do marido assassino em casa na noite do crime[/tab]
[/tabs]

dentista 2dentistaFabiano Cesar Vergutz tem prisão preventiva decretada, acusado de homicídio qualificado e estupro. Segundo a Polícia e o Ministério Público, na noite de 26 de abril de 2013, ele a vítima tiveram uma áspera discussão no interior da residência do casal, fato que teria motivado a dormir na cabine de seu caminhão. “Acontece que, já na madrugada do dia 27 de abril, o denunciado retornou ao interior do imóvel , azo em que, em circunstância e por motivações ainda não apuradas, passou a agredir a vítima com golpes contundentes no rosto e em outras partes do corpo. Na sequência, após submeter e subjugar a vítima, o denunciado valeu-se de um objeto contundente (não apreendido e não identificado) para constrangê-la à prática de ato libidinoso, introduzindo, mediante violência, tal objeto em seu ânus, causando-lhe, com isso, sério ferimento na região perianal. Ainda não satisfeito, mesmo após todas estas agressões e abusos, o denunciado decidiu por fim a vida de sua companheira, pelo que se valeu de uma corda para enforcá-la, suspendendo seu corpo pelo pescoço numa viga de concreto da edícula existente nos fundos da residência do casal, local onde a matou e a abandonou nestas condições, visando aparentar uma possível cena de suicídio, que, porém, restou prontamente desmascaradas pela perícia técnica realizada no local na manhã seguinte aos fatos”.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Com informações do Rondoniagora[/tab]
[/tabs]

[print-me]