Até 7 de maio, 41,2 milhões de pessoas receberam vacina da gripe. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 54,4 milhões de pessoas até 15 de junho

 

Após prorrogação da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, 75,8% do público-alvo se vacinou em todo o país. Balanço publicado nesta quinta-feira (7), pelo Ministério da Saúde, mostra que 13,1 milhões de pessoas que fazem parte do público-alvo devem buscar os postos de vacinação do país para receber a imunização. A população tem até o próximo dia 15 de junho para tomar a vacina. A expectativa do Ministério da Saúde é que 54,4 milhões de pessoas sejam vacinadas.

“É preciso que as pessoas consideradas do grupo-prioritário se conscientizem da importância da vacinação e procurem os postos para se protegerem contra a gripe”, ressaltou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

Após o fim da campanha, caso haja disponibilidade de vacinas nos estados e municípios, a vacinação poderá ser ampliada para crianças de cinco a nove anos de idade e adultos de 50 a 59 anos. O Ministério da Saúde reforça a importância dos estados e municípios continuarem a vacinar os grupos prioritários, em especial, crianças, gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, público com maior risco de complicações para a doença.

Até 7 de maio foram vacinadas 41,2 milhões de pessoas. Este total considera todo o público estimado, englobando pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas –, funcionários do sistema prisional e pessoas com comorbidades. Dessas, 33 milhões são idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto).

O público com maior cobertura, até o momento é de puérperas, com 86,7%, seguido pelos idosos (86,6%), professores (85,4%) e indígenas (81,7%). Entre os trabalhadores de saúde, a cobertura de vacinação ficou em 79,7,6% e gestantes 62%. O grupo com menor índice de vacinação foram as crianças, entre seis meses e cinco anos, a cobertura é de apenas 57,5%.

A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

CASOS DE GRIPE NO BRASIL

O último boletim de influenza do Ministério da Saúde aponta que, até 2 de junho, foram registrados 2.315 casos de influenza em todo o país, com 374 óbitos. Do total, 1.395 casos e 243 óbitos foram por H1N1. Em relação ao vírus H3N2, foram registrados 463 casos e 70 óbitos. Além disso, foram 236 registros de influenza B, com 29 óbitos e os outros 221 de influenza A não subtipado, com 32 óbitos.

Entre as mortes em decorrência dos vírus da influenza, a mediana da idade foi de 52 anos. A taxa de mortalidade por influenza no Brasil está em 0,18% para cada 100.000 habitantes. Dos 374 indivíduos que foram a óbito por influenza, 267 (71,4%) apresentaram pelo menos um fator de risco para complicação, com destaque para adultos maiores de 60 anos: cardiopatas, diabetes mellitus e pneumopatas. Esse público é considerado de risco para a doença, por isso a vacina contra a gripe é garantida gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS).

UF

Doses aplicadas Cobertura vacinal
RO 253.444 66,2
AC 141.119 65,4
AM 640.242 62,2
RR 84.484 47,5
PA 1.241.096 64,6
AP 170.089 98,3
TO 316.003 83,9
MA 1.328.542 78
PI 626.871 75,6
CE 2.103.118 90,2
RN 727.142 79,4
PB 867.840 80,8
PE 1.853.359 76,8
AL 675.760 84,1
SE 375.830 73
BA 2.718.955 73
MG 5.529.836 102,9
ES 815.817 84,6
RJ 2.433.031 52,5
SP 8.244.606 66
PR 2.459.588 80,3
SC 1.512.367 80,3
RS 2.612.210 74,7
MS 559.221 75,7
MT 632.601 79,6
GO 1.735.271 102,9
DF 606.247 81,9
BRASIL 41.264.689

75,8

 

 

Ministério da Saúde