Após menos de uma semana de greve, os bancários de São Paulo, Rio de Janeiro, Rondônia, Alagoas, Ceará e Brasília aprovaram, em assembleia nesta segunda-feira (6), o fim da greve e o retorno ao trabalho nesta terça-feira (7), com aumento de 8,5% -2,02% acima da inflação.

DSCN7544Os bancários de outras regiões do país também realizam assembleias para referendar o fim da greve.

Seguem com a paralisação os funcionários do Banrisul, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia, que negociam cláusulas específicas do plano de carreira.

Pelo mesmo motivo seguem em greve os Bancários da Caixa de Mato Grosso e Bahia, além dos do BB de Porto Alegre, Curitiba e Paraíba, que realizam novas assembleias nesta terça (7).
A negociação das propostas do Banco do Nordeste e do Banco da Amazônia, rejeitadas inicialmente, acontecem ao meio-dia. As questões do Banrisul serão votadas durante a tarde.
A proposta de aumento havia sido recomendada pelo comando nacional dos bancários.

Haverá compensação dos dias parados em uma hora até o dia 7 de novembro para funcionários que têm uma jornada de oito horas e até 31 deste mês para trabalhadores que têm jornada de seis horas.

A paralisação começou na terça-feira (30) da semana passada, cinco dias antes do primeiro turno da eleição presidencial.

O reajuste deste ano é superior ao acordado no ano passado. Em 2013, após paralisação de 23 dias, o acordo foi de correção nos salários de 8% (inclui 1,82% de ganho real).

A Fenaban também ofereceu reajuste de 9% para o piso salarial e de 12,2% para o vale-refeição.
*
RAIO-X DA GREVE
DATA-BASE: 1º de setembro
QUANTO GANHAM: piso de R$ 1.648 (salário do caixa)
O QUE PEDEM: 12,5% (5,8% real)
CONTRAPROPOSTA: 8,5% (2,02% de ganho real)
INFLAÇÃO NO PERÍODO: 6,35% (INPC, em 12 meses)

Folha de São Paulo