Segundo parlamentar, o presidente cometeu crime de responsabilidade ao apoiar protestos contra o Congresso e o STF

O presidente Bolsonaro: crime de responsabilidade, segundo autor de pedido de impeachment Marcos Corrêa/PR

Foi protocolado nesta terça-feira, 17, na Câmara dos Deputados, um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. O autor da representação é o deputado distrital Leandro Grass (Rede).

Segundo o parlamentar, Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade ao apoiar manifestações populares contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Na representação, Grass argumenta que o presidente estimulou os protestos contra os outros dois poderes ao compartilhar vídeos por redes sociais e também em um discurso oficial.

O discurso ocorreu em 7 de março, quando o presidente conclamou a população a comparecer aos atos marcados para 15 de março. Na ocasião, ele discursava a apoiadores na base aérea de Boa Vista (Roraima), durante a escala para a viagem de quatro dias que fez aos Estados Unidos. Bolsonaro chegou a provocar a classe política, dizendo que “político que tem medo de movimento de rua, não serve para ser político”.

Grass argumenta, ainda, que Bolsonaro cometeu falta graves ao afirmar, sem apresentar provas, que as eleições de 2018 foram fraudadas. Segundo o presidente, ele teria ganhado as eleições já no primeiro turno. A afirmação foi feita em 10 de março, durante a visita oficial aos Estados Unidos.

PolíticaFrota protocolará impeachment de Bolsonaro: ‘Alguém precisa gritar’PolíticaBolsonaro conclama população a participar de manifestações de 15 de marçoPolíticaBolsonaro fala em fraude para tirar foco da economia, diz ministro do STF

Os ataques realizados pelo presidente contra a jornalista Patrícia Campos Melo, da Folha de S.Paulo, também estão entre os argumentos que fundamentam o pedido de impeachment. Nesse caso, Bolsonaro é acusado de quebra de decoro. O presidente fez ofensas de teor sexual à repórter, explorando uma informação falsa que um depoente prestou na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News para afirmar que a jornalista “queria dar o furo a qualquer preço contra mim”. No jargão jornalístico, a expressão “dar um furo” significa publicar uma informação exclusiva antes de outros veículos.

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) prepara outro pedido de impeachment contra o presidente. Frota foi um dos mais ferrenhos apoiadores de Bolsonaro durante a campanha presidencial de 2018.

Por Roberta Paduan – Veja.com