Tesouro Nacional informou que o déficit primário ficou em R$ 10,5 bilhões no quinto mês do ano, o primeiro resultado negativo de 2014.

imagens-do-dia-20140605-25-size-598

Com forte queda nas receitas e sem contar com dividendos bilionários, o governo central fechou o mês de maio no vermelho, sem conseguir economizar receita para pagar os juros da dívida. Registrou o pior déficit primário para meses de maio de toda a sua história — de 10,502 bilhões de reais, segundo dados do Tesouro Nacional, ficando ainda mais longe de cumprir a meta fiscal para este ano, que está em 1,9% do PIB, ou 99 bilhões de reais. No acumulado de janeiro a maio, o resultado primário do governo central, formado pelo Tesouro Nacional, pelo Banco Central e pela Previdência Social, caiu para 19,158 bilhões de reais, 42,4% a menos do que em igual período de 2013. Em abril, a economia para pagamento de juros da dívida pública foi de 16,6 bilhões de reais.

O secretário do Tesouro, Arno Augustin, tentou se justificar. “Maio é tradicionalmente um mês de primário mais baixo, mas o resultado mais negativo veio basicamente em função de receita bem menor”, afirmou a jornalistas. O resultado foi o pior para meses de maio desde o início da série histórica, em 1997. 

Em maio, as receitas líquidas do governo central somaram caíram 28,8% entre abril e maio, para 68,374 bilhões de reais. Já os gastos totais recuaram menos, apenas 0,7%, para de 78,876 bilhões de reais no mês. No acumulado do ano, as receitas somam 412,741 bilhões de reais (6,5% maior do que em 2013) e as despesas 393,583 bilhões de reais (alta de 11,1%) — ou seja, os gastos crescem num ritmo quase duas vezes mais rápido que a arrecadação.

Segundo dados do Tesouro, o déficit primário é decorrente da queda mensal de quase 70% nas receitas com dividendos de estatais, que somaram 779,9 milhões de reais em maio. O Tesouro registrou em maio um déficit de 6,485 bilhões de reais, enquanto o rombo da Previdência ficou em 3,879 bilhões de reais. Já as contas do BC tiveram um resultado negativo de 136,4 milhões de reais.

Em 12 meses até maio, o superávit do governo central caiu a 62,9 bilhões de reais, o equivalente a 1,3% do PIB, sendo 37,813 bilhões do Tesouro, 18,656 bilhões de reais da Previdência e 1,9 bilhão do BC.

Segundo a pesquisa Focus do Banco Central, a expectativa dos economistas é de expansão de 1,16% do PIB neste ano, muito aquém dos 2,5% registrados em 2013. A própria autoridade monetária calcula crescimento de 1,6% em 2014. 

Na manhã desta sexta a Receita Federal divulgou que a arrecadação teve queda real anual de 5,95% no mês passado, decorrente do fraco crescimento da economia e perdas com as desonerações. O tombo levou o Fisco a reduzir para cerca de 2% a previsão de crescimento do recolhimento de impostos este ano.

VEJA