Família revoltada fez o velório sem os corpos

Juvenil, José Carlos e David mostrando as certidões de óbito

Juvenil, José Carlos e David mostrando as certidões de óbito, indignação

O acidente desta segunda-feira (18) ocorrido no Km 94 da BR-364, próximo do distrito do Guaporé vitimou a mãe Mirian Gomes Azevedo Santana, de 34 anos, e sua filha Tamires Azevedo Santana, de 14 anos.

Ambas morreram após a colisão de um Ford Ka, onde elas estavam, com uma S-10. A funerária São Matheus foi a encarregada de trazer os corpos ao Hospital Regional de Vilhena, chegando antes das 18h do mesmo dia.

DSCN8801

David Gomes Azevedo, José Carlos de Azevedo, ambos irmãos e tios das vítimas estavam junto com o esposo de Mirian, Juvenil Galhardo Ramos. “No hospital, o doutor Kedson Abreu Souza se negou a liberar os corpos, disse que não fazia isso à noite. Perguntei para ele se era cego”, desabafa David. A família teve que se conformar em fazer o velório sem o corpo das vítimas.

O médico Kedson só fez o trabalho às 8h do dia seguinte, liberando os corpos às 9h, após quase 15 horas dos corpos terem entrado no hospital, a informação foi confirmada pela funerária São Matheus que realizou seu trabalho e entregou os corpos ao meio-dia.

Os familiares das vítimas ficaram indignadas com a atitude do médico e resolveram publicar seu desabafo através do Rondônia Em Pauta.

Por Hernán Lagos