news[dropcap]U[/dropcap]ma cidadã procurou a reportagem do NewsRondônia, para denunciar um golpe sofrido em uma loja localizada no centro da Capital, e que seria de propriedade de empresários chineses. O fato ocorreu na última sexta-feira (23), e a vítima tentou resolver o problema com os donos da loja, mas não obteve êxito.

De acordo com a vítima – que preferiu não ser identificada – ela teria ido até uma loja de variedades, localizada na Rua Barão do Rio Branco, no centro da cidade e realizou algumas compras. Na hora de realizar o pagamento da compra, com cartão de débito, a mulher que estava no caixa, e que seria a proprietária do estabelecimento, alegou que a senha do cartão estava inválida e repetiu a operação, pedindo para que a cliente digitasse a senha novamente.

Após a segunda tentativa o pagamento constou como efetivado e a cliente foi embora, mas ao retirar um extrato da conta bancária, percebeu que havia ocorrido um equívoco e que o valor de sua compra havia sido debitado duas vezes. Com o extrato em mãos, a cliente retornou até a loja e explicou o que havia ocorrido para a comerciante, porém, para sua surpresa, a chinesa não quis deixar a cliente falar e simplesmente disse que não iria pagar o valor que havia sido debitado de forma incorreta.

“Eles têm tanta confiança em suas ações, que mesmo diante a ameaça de eu chamar a polícia, ainda riram da minha cara” – relata a vítima. Sem ter o problema resolvido, restou à ela ir embora registrar um boletim de ocorrência.

O que diz o Código de Defesa do Consumidor:

A cobrança em duplicidade por erro do sistema da empresa ou mesmo falha humana configura o fato de cobrança indevida e dá direito à devolução em dobro.

A empresa só estará dispensada dessa “multa” ou “punição”, em caso de “engano justificável”, conforme o artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor (CDC) que diz: “O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável”.

Fica aqui aberto o espaço para caso o(s) proprietário(os) da loja queiram se manifestar sobre o caso.

News Rondônia