Sindicato diz que membros de facções criminosas podem ter acesso a fichas funcionais e dados pessoais de agentes penitenciários