Lúcio Mosquini, diretor geral do Departamento de Estradas de Rodagem e Transportes de Rondônia, deve conceder entrevista em rádio de Vilhena. Espera-se mais hostilidade entre representantes do Estado e o casal Rover

Lúcio Mosquini, titular do DER

Lúcio Mosquini, titular do DER

[dropcap]A[/dropcap]inda está rendendo panos para a manga o embate entre o locutor do cerimonial do governo do Estado, Roni Freitas, e a primeira dama de Vilhena, Lizangela Rover. Em jogo está a paternidade de um projeto que prevê 20 quilômetros de asfaltamento para Vilhena, no qual representantes do governo garantem que não há contrapartida financeira do município no empreendimento. O engenheiro Lúcio Mosquini, diretor geral do DER/RO – Departamento de Estradas de Rodagem e Transportes de Rondônia – deverá conceder entrevista a partir das 11h desta quarta-feira (29), na rádio Meridional FM, reafirmando que o asfaltamento está sendo bancado exclusivamente com recursos estaduais, o que deverá reacender a contenda entre os Rover e o governo do Estado.

       O anúncio da entrevista de Lúcio Mosquini foi feito pelo locutor cerimonialista, Roni Freitas, em rede social. A princípio, a entrevista seria concedida hoje (terça-feira 28), mas foi cancelada de última hora (o motivo alegado foi o atraso do possível entrevistado numa reunião do Tribunal de Contas do Estado) e remarcada para quarta-feira.

       Lizangela Rover não foi convidada a falar ao público no evento que marcou a assinatura da ordem de serviço dando início às obras de asfaltamento. A primeira dama, então, usou do tempo reservado ao marido e discursou – momento em que trocou farpas com o locutor cerimonialista. Para os governistas, José Rover e Lizangela Rover estariam utilizando obras bancadas com recursos estaduais para se promoverem politicamente.

       Aliado do senador Ivo Cassol (PP), José Rover banca uma distensão política com o grupo do governador Confúcio Moura (PMDB) há algum tempo. A temperatura, porém, chegou a ponto de ebulição na sexta-feira (24), na ocasião da assinatura da ordem de serviço para o asfaltamento e o sorteio dos imóveis de 200 contemplados pelo programa “Minha Casa, Minha Vida”, em Vilhena.

       Não é preciso fazer exame de DNA para saber quem é o pai do projeto de asfaltamento de 20 quilômetros de ruas em Vilhena. Basta tornar público os papéis que autorizam a obra e o contrato firmado com a empreiteira vencedora da licitação. Esse contrato deve indicar de quem é a responsabilidade de pagar pela obra. Isso feito, a discussão acabaria definitivamente.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Por Hernán Lagos[/tab]
[/tabs]

[print-me]