“Não posso sair do partido, senão posso perder o mandato”, desabafou o vereador

JUNIOR---GUARDA-MUNICIPALNa 18ª sessão ordinária desta terça-feira (4), o presidente da Câmara de Vereadores Junior Donadon (PMDB) se posicionou sobre a proibição das carreatas na época eleitoral, lixo de panfletos, carro de som e veículos pilotados com propaganda eleitoral e afirmou que o projeto não é inconstitucional.

“A reforma política não vai andar no Congresso. Outra é que o político fica preso em um partido. Acredito que deve haver nos finais dos mandatos uma janela de 30 dias para poder decidir aonde o político quer migrar. O político fica escravo do diretório que às vezes não tem a ideologia de ajudar o povo e não fomenta as novas lideranças. Me sinto prisioneiro hoje do partido do qual não posso sair deliberadamente, preciso anuência do partido, senão posso perder o mandato”, desabafou.

Junior vive um impasse com a própria família que logrou tomar o PMDB através de impugnações da última convenção que o sagrou novo presidente com poucos votos. A família liderada pelo primo Melki Donadon (PTB) conseguiu arrancar Junior do poder e colocar no seu lugar a deputada estadual Rosangela Donadon. Decorrente da manobra, o grupo lançou a pré-candidatura de Rosani Donadon, esposa do ex-prefeito Melki Donadon.

Uma das intenções de Junior, ao propor o projeto da proibição das carreatas na época eleitoral é evitar que o poder econômico seja fator decisivo no resultado da peleja eleitoral. Desta forma ele teria maiores chances em se eleger prefeito de Vilhena.

Da redação do Rondônia em Pauta