Relatório confeccionado pelo vereador foi a favor da cassação, porém a votação acabou absolvendo Célio Batista

O vereador Rafael Maziero (PSDB) convocou a imprensa vilhenense no restaurante de sua família, La Varanda, na manhã desta segunda-feira, 22.

Ao lado dos pais, Maziero explicou como foi a pressão sofrida para livrar Célio Batista da cassação. Em meados de setembro, após a mudança de prefeito, os servidores das linhas rurais atendidas pela Secretaria Municipal de Agricultura, ficaram desprovidas de fornecedor de marmitex o que obrigou a prefeitura a contratar um restaurante que oferecesse o menor preço, dos três restaurantes cotados o La Varanda foi o que ofereceu o menor preço e foi contratado.

O restaurante chegou a entregar 25% do contrato, porém o contrato foi cancelado após o vereador ficar ciente da existência do contrato, mesmo não sendo ilegal, mas a pedido do vereador para evitar qualquer suspeita contra a moralidade. “Meus pais nunca haviam contratado o serviço público, por isso não viram nenhum problema, mas quando eu fiquei sabendo resolvi agir e cancelar o contrato que, ainda não foi pago. Assim que o pagamento for realizado, o La Varanda vai doar o montante ao Lar dos Idosos”, explicou Maziero.

“Quando protocolei o cancelamento do contrato, o documento alertou opositores políticos e usaram isso para me pressionar e confeccionar um relatório para absolver Célio Batista na CPI, senão eu sofreria retaliações devido a que o restaurante é dos meus pais”, continuou o vereador.

Rafael esclareceu que, mesmo assim, fez um relatório técnico da CPI, onde foram apresentados três itens para votação: corrupção, improbidade administrativa e quebra de decoro. No caso da corrupção a CPI não encontrou provas suficientes para a cassação, porém nos outros dois votos, o relatório era favorável à cassação, porém o item de quebra de decoro não foi votado devido à intervenção da defesa de Célio. “O relatório foi para cassar, porém Célio foi absolvido nos votos. Eu não mudei meu posicionamento, em momento nenhum”, asseverou Maziero.

“Meus pais vem trabalhando há 30 anos com o restaurante e todos sabem da sua idoneidade. Não vou permitir que tentem nos desmoralizar. Não houve nada de ilegal no contrato, mas como sou vereador, e o restaurante é dos meus pai, agi e pedi o cancelamento do contrato”, finalizou o vereador.

Da redação do Rondônia em pauta