11850914_1478036289177181_165420042_nA Secretaria de Justiça (Sejus) participou na tarde dessa terça-feira (4) da audiência no Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, que teve como principal objetivo discutir a redução da superlotação nas unidades prisionais do Estado, melhorar a qualidade do atendimento ao reeducando, reduzir a reincidência dos crimes e melhorar a qualificação da pena.

Segundo o secretário da Sejus, Marcos Rocha, uma das maneiras de diminuir a superlotação nos presídios é humanizar o processo de cumprimento de pena e estabelecer audiências de custódia.

Secretário da Sejus e integrantes do judiciário discutem melhorias no sistema prisional do Estado.

Secretário da Sejus e integrantes do judiciário discutem melhorias no sistema prisional do Estado.

“As audiências de custódias são implantadas em poucos estados brasileiros e seriam aplicadas em Rondônia devido a quantidade de reeducandos que o Estado tem cumprindo pena, em especial os apenados provisórios, os quais estão aguardando julgamento. Com isso, diminuiria a quantidade de apenados provisórios, além de reduzir os gastos que o estado tem com o reeducando”, explica Rocha.

Estabelecendo tais audiências, os praticantes dos crimes chamados de menor potencial ofensivo, a exemplo dos crimes de transito e estelionato, poderão ser submetidos a medidas alternativas ao cárcere. Dentre as alternativas está a prestação de serviços a comunidade e a monitoração eletrônica feita com a tornozeleira.

A ideia do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) é financiar a instalação de centrais de alternativas penais, capitaneadas com o executivo e em parceria com o judiciário, isto é, serviços ofertados pelo governo em parceria com a Justiça para diminuir a entrada de pessoas no sistema prisional enquanto provisório.

Decom – Governo de Rondônia