Omissão do DNIT provoca crime ambiental irreparável

2013-10-09T14:25:56+00:0009 outubro, 2013|

Deputado alerta para o risco de rompimento da pista na BR-364 na saída de Vilhena para Porto Velho

erosão-na-BR-364-(1)[dropcap]O[/dropcap] deputado Luizinho Goebel (PV) manifestou preocupação com as condições da pista na BR-364 na saída de Vilhena para Porto Velho, próximo do Friboi. Ele esteve visitando o local e verificou que há eminente risco de rompimento da pista de rolamento com as fortes chuvas que deve ocorrer nos próximos meses. “Já fizemos esse alerta anteriormente e voltamos a nos preocupar porque a cada ano as coisas pioram e o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte) não toma providência”, disse Goebel.

Erosão-às-margens-da-BR-364O deputado disse que pelo menos um crime ambiental já foi provocado que é o assoreamento do Rio Pires de Sá, que corre sob a pista. As chuvas provocaram uma grande erosão lateral e carregaram para as margens do rio areia e dejetos provocando o assoreamento em praticamente toda a sua extensão a partir da margem direita da rodovia. Essa acumulação de sedimentos em face dos processos erosivos causados pelas águas, ventos e processos químicos desagrega o solo formando sedimentos que são transportados para dentro do rio provocando a obstrução do curso d’água do Pires de Sá, matando o lentamente. O Pires de Sá é um dos dez rios que nascem na Chapada dos Parecis formando a bacia hidrográfica de Vilhena. “Também alertamos para esse problema para a necessidade de uma obra pelo governo federal para que acabe com aquela erosão às margens da BR antes que ela acabe com o Pires de Sá que é um rio histórico para Vilhena e importante para a nossa bacia hidrográfica”.

Erosão-às-margens-da-BR-364-(1)A valeta formada ao lado da rodovia a cada ano se aproxima mais da pista de rolamento e pela falta de obra de contenção vai desbarrancando. Pela margem da rodovia correm cabos de fibra óticas que podem se romper interrompendo a comunicação em todo o estado.

Em março do ano passado o asfalto se rompeu na BR-364 nas proximidades de Candeias e Porto Velho abrindo uma cratera numa das pistas devido o transbordamento de um igarapé ao lado da rodovia provocado pelas fortes chuvas. Foi resultado de um processo gradativo que anos após ano a chuva vinha paulatinamente encharcando o solo até romper o asfalto. “Isso é o que está ocorrendo em Vilhena, ano após ano a erosão aumenta, o solo vai ficando menos firme até que chegará o momento em que vai ceder se nada for feito pelo DNIT. E se ocorrer será infinitamente mais grave do que o ocorrido em Porto Velho, uma vez que no local não é possível improvisar uma pista lateral, e dessa forma todo o tráfego no Estado ficará interrompido”, concluiu.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Da assessoria[/tab]
[/tabs]

[print-me]

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informações para contato

Mobile: (69) 9 9929-6909

Web: rondoniaempauta.com.br