Deputado federal admite gasto dinheiro público, mas não explica o que foi pago

garçonO portal da Câmara dos Deputados não anda muito transparente. O deputado Lindomar Garçon (PMDB-RO) gastou R$ 35 mil com a Gráfica e Editora Dinâmica Ltda e não disponibilizou a imagem da nota fiscal em outubro de 2015, para que a população possa acompanhar seus gastos com dinheiro público.

Para não explicar como utilizou o dinheiro, Garçon alegou que o comprovante de despesa não foi publicado por conter informações relativas à intimidade, vida privada, honra ou imagem de pessoa física. Acontece que o dinheiro, do povo, deveria ser gasto com divulgação de atividade parlamentar.

Apesar disso, Lindomar Garçon está amparado por lei. A Câmara Federal permite que ele gaste e não esclareça direito como isso aconteceu. Assim o ato do deputado federal eleito por Rondônia, apesar de imoral, tem amparo legal.

Admitir ter gasto R$ 35 mil com alguma coisa não quer dizer que esteja havendo transparência por parte de Garçon. Ele é obrigado pela Câmara Federal a divulgar o que pagou com dinheiro público. Ocorre que tem o direito que não explicar detalhadamente. Ele recorreu a esse direito, argumentando que há informações pessoais no comprovante de despesa.

O portal da Câmara de Deputados é um livro aberto, mas aparentemente há mecanismos para manter algumas páginas coladas. A atitude de Garçon pode não ter sido transparente, mas o deputado demonstrou conhecer o funcionamento do Legislativo federal.

Autor:  Rondoniadinamica