Ministro diz que Rondônia e mais cinco estados da Região Norte vivem um ”apartheid energético”