Sobrinho pegou R$ 25 milhões do Banco do Brasil para construir CPA Municipal, mas obra “sumiu”

2013-06-22T09:52:31+00:0022 junho, 2013|

assinatura_convenio_prefeitura_banco_brasil_site_01A desastrosa gestão do petista Roberto Sobrinho deixou um rastro de desmandos e destruição na cidade. O abandono ao qual Porto Velho foi relegado é de causar indignação e revolta.Mas, não são apenas obras inacabadas, os buracos, a sujeira e os desvios que revoltam. Tem também as promessas e o sumiço de recursos públicos.

É o caso do acordo firmado pelo prefeito Roberto Sobrinho, em abril de 2009, com a superintendência do Banco do Brasil.

Com o convênio firmado, a prefeitura da capital passou a movimentar recursos financeiros e a depositar os salários dos servidores municipais em contas no banco estatal, que em troca, assegurou a liberação de R$ 25 milhões para a construção de um Centro Administrativo Municipal, batizado por Sobrinho e sua petezada. Uma espécie de CPA da prefeitura, para imitar a obra iniciada pelo então governador Ivo Cassol (PP) à época.

Na solenidade de assinatura, que ocorreu na biblioteca Francisco Meireles, Roberto Sobrinho, rodeado de petistas, entre eles a sua então chefe de gabinete Mirian Saldaña, que foi presa na Operação Vórtice que desnudou tenebrosos esquemas de corrupção na prefeitura comandada pela companheirada durante oito longos anos.

maquete_cpa_municipalNa ocasião, Roberto apresentou as maquetes (fotos reproduzidas aqui), através de slides e disse ainda que “se a prefeitura não se preparar para estas mudanças, quem vai perder é a população”.

O prefeito prometeu, na ocasião, que iria licitar a obra e que ela começaria ainda no segundo semestre de 2009. Ele disse ainda que o prédio contaria com três pisos e 15 mil metros quadrados de área construída, para abrigar as secretarias de Finanças, Administração e Planejamento, mais a Controladoria e Procuradoria, além de um espaço de “trabalho” para o prefeito.

Tudo não passou de mais uma promessa frustrada do Sobrinho. O novo CPA Municipal, seria construído ao lado da maternidade municipal, na rua Venezuela. Quando Confúcio Moura (PMDB) assumiu o Governo, a prefeitura prometeu ceder a mesma área para a construção de um pronto-socorro municipal, sepultando de vez a construção do prédio.

Mas o dinheiro, os R$ 25 milhões, repassados para serem utilizados na obra ninguém sabe onde foi parar. Como o Brasil é conhecido com a pecha do país da corrupção e da impunidade, se o Ministério Público e a Polícia Federal não agirem, a sociedade nunca saberá o real destino dessa dinheirama toda.

[tabs]
[tab title=”Rondônia Em Pauta”]Fonte: RONDONOTICIAS[/tab]
[/tabs]

[print-me]

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informações para contato

Mobile: (69) 9 9929-6909

Web: rondoniaempauta.com.br