Vítima de sequestro e tortura continua trabalhando no Bradesco de Machadinho do Oeste para suprir falta de funcionários