h1n1

[dropcap]O[/dropcap]correu no final desta manhã,11, quarta-feira, uma Coletiva de Imprensa no auditório da Prefeitura Municipal de Vilhena, com a equipe da Agência Estadual de Vigilância Sanitária (AGEVISA) e da Secretaria Municipal de Saúde (SEMUSA), para tratar sobre o assunto que vem tirando o sossego dos vilhenenses, a Gripe H1n1.

Uma equipe formada por técnicos, enfermeiros e médicos da AGEVISA e do LACEN (Laboratório Central de Rondônia), está no município de Vilhena desde de terça-feira, 10, com o objetivo de fazer um mapeamento juntamente com a equipe de saúde do município, para então saber a real situação de incidência do vírus em Vilhena.

De acordo com Vivaldo Carneiro, Secretário Municipal de Saúde, um dos motivos para a AGEVISA estar em Vilhena é explicar melhor para a população sobre a situação atual e evitar que boatos equivocados sejam semeados, preocupando ainda mais a população.

Segundo Ronaldo Davi Alevato, Secretário Executivo do Estado, os pacientes que foram hospitalizados no Hospital Regional de Vilhena com suspeita do vírus vieram do município de Comodoro-MT, especialmente de comunidades indígenas. O Gerente Regional de Saúde, Sérgio Souza Mattos, completou dizendo que o Estado entrará com as providências cabíveis no que for preciso para deixar tudo sobre controle, e deverá disponibilizar o medicamento Tamiflu para o tratamento da gripe. Os profissionais de saúde destacaram que os boatos da doença não devem ser motivo de pânico para a população.
De acordo com Técnica da Agevisa Josefa Lourdes Ramos, no estado de Rondônia, até o momento, foram registrados 65 casos suspeitos, e nove confirmados. Foi constatado no município 34 casos suspeitos, 4 deles confirmados  e 1 caso está em reteste. 

Dos 4 casos confirmados, 3 vieram a óbito, sendo apenas 1 residente do município de Vilhena e os demais de Comodoro-MT, ou seja, algumas pessoas infectadas com o vírus vieram do estado vizinho, mas também há caso local, a equipe de epidemiologia está examinando cada situação, para que verificar se existe uma ligação entre os casos.

As pessoas que são prioritárias para receber as vacinas são, gestantes, crianças, idosos e pessoas  que apresentam sintomas da doença. Os que estão fora do grupo prioritário tem buscado a vacina, porém, a única farmácia do município que comercializava o medicamento teve seus lotes esgotados.

h1n12Para diferenciar o H1n1 de uma gripe normal, deve estar atento aos sintomas, que são: Febre súbita, e sinais de gripe forte e problemas respiratórios. As pessoas que apresentarem esses sintomas deverão procurar assistência médica.

Formas de prevenção
Foi discutido sobre como evitar o contágio do vírus, a técnica Josefa Lourdes da AGEVISA, explicou que existem formas de prevenção, são elas:

Vacinas: elas a fazem efeito 15 dias após a vacinação e pelos próximos 6 meses  garante uma porcentagem alta de proteção, depois desse prazo o efeito começa a declinar. 

Higiene: manter as mãos limpas, o álcool em gel, é uma boa opção para manter a higiene das mãos. Ao tossir e espirrar colocar a mão sobre o rosto, pois, o vírus facilmente pode ser transmitido pelo ar.
Aconselha-se a população evitar lugares com grande fluxo de pessoas.  

 

Karen Dencker
Jornalista profissional