Dor Torácica; boletim médico do Dr. Luis Valdez

2013-07-05T09:06:12+00:0005 julho, 2013|Categories: Dr Luis Valdez, Em foco, Saúde|Tags: , |

Dor torácica, também chamada de dor no peito, é o sintoma que frequentemente leva aos pacientes a consultar no pronto socorro.

Dor-no-peito[dropcap]A[/dropcap] dor torácica sempre tem de ser avaliada como uma emergência, e tem prioridade no atendimento médico. A dor torácica não sempre é sinônimo de ataque ao coração ou infarto agudo de miocárdio, já que dores torácicas podem ser causadas por outras várias doenças; que vão desde contraturas musculares até infarto agudo do miocárdio, mas cabe ao médico estabelecer o diagnóstico diferencial.

No pronto socorro o médico plantonista ou emergencista é o responsável da avaliação inicial do paciente, já que tem o treino e experiência necessários para realizar diagnósticos e dar os cuidados e tratamentos necessários para cada caso.

O paciente que chega à sala de emergência com queixa de dor torácica tem que ser atendido de imediato, não pode permanecer na fila de espera aguardando uma, duas ou três horas para ser atendido, se isso acontecer podemos estar assistindo a um óbito na sala de espera do hospital.

Neste momento devo advertir e mencionar, ainda que não é motivo da revisão neste BOLETIM MÉDICO, que também tem prioridade do atendimento imediato no pronto socorro, os pacientes hipertensos com grandes elevações tensionais, as crianças com febre  com vómito e os pacientes com dor abdominal.

Digo que estes pacientes devem receber uma atenção pronta e segura em função das consequências que doenças como a hipertensão pode ocasionar sobre o sistema circulatório ou cérebro, por exemplo, acidente vascular cerebral; ou as crianças apresentar convulsões por febre. Dor abdominal pode ser acusado por uma apendicite, cisto de ovário hemorrágico ou embaraço ectópico todos estes três últimos casos gravíssimos se não são diagnosticados oportunamente.

Voltando ao tema, as dores torácicas são um dos sintomas mais difíceis de interpretar, e representa um grande desafio para o médico, pois compreende uma variedade de causas, com ampla gama de implicações clínicas, algumas potencialmente fatais se não prontamente reconhecidas.

O médico tem que saber identificar a dor torácica, que é grave, e separar das dores que não são graves, mediante a história clinica, exame físico e a solicitação de exames complementares.

Por isso o diagnóstico deve ser rápido e preciso, objetivando primordialmente o reconhecimento e tratamento das condições que oferecem risco de morte ao paciente.

As anginas e infartos de miocárdio representam 20% das causas de dor torácica nas salas de emergência.

Existem causas cardíacas e não cardíacas de dor torácica, dentro das causas cardíacas teremos o infarto agudo de miocárdio, (DURANTE UM INFARTO, UM COÁGULO OU ATEROMA CAUSA OBSTRUÇÃO NAS ARTÉRIAS CORONÁRIAS E BLOQUEIA A PASSAGEM DE SANGUE AO CORAÇÃO).

CARACTERÍSTICAS TÍPICAS DA DOR TORÁCICA DE ORIGEM CARDÍACO

Sintomas como uma dor no tórax por mais de 15 minutos, opressão ou desconforto no centro do tórax, que pode irradiar-se para as costas, ombros, pescoço e braço esquerdo. Tontura, falta de ar, suor em excesso, aumento da frequência cardíaca, náuseas o vômitos.  Mal-estar súbito mesmo na ausência de dor ou desconforto no peito.

Se você está tendo sintomas de ataque cardíaco mastigue uma aspirina, ela melhora a circulação na artéria coronária obstruída que fornece oxigênio ao músculo cardíaco e procure o pronto socorro do hospital onde serão solicitados e feitos exames de electrocardiograma, Raio-X de tórax, e enzimas cardíacas para ver infarto.

PESSOAS COM MAIOR RISCO DE APRESENTAR DOR TORÁCICA DE ORIGEM CARDÍACO

As pessoas com idade maior de 40 anos com risco de desenvolvimento de placas de aterosclerose nas paredes das artérias coronárias.

Fumantes. O fumo está fortemente associado à aterosclerose e capaz de aumentar o risco de ataque cardíaco.

Diabéticos. O diabetes danifica a parede das artérias facilitando o depósito de gordura e a formação de placas ateroscleróticas. Os diabéticos apresentam com maior frequência “infartos silenciosos”, sem dor no peito, por isso os diabéticos devem procurar atendimento ante qualquer mal-estar súbito.

Hipertensão arterial representa risco elevado de infarto e derrame cerebral.

O controle adequado da diabete e da hipertensão arterial, por sua vez, reduz a chance de ocorrência desses eventos.

Cocaína. O uso de cocaína, a overdose produz aumento da frequência cardíaca (taquicardia supra ventricular)  e infarto agudo de miocárdio.

Perante sintomas de falta de ar de início súbito, mal-estar súbito, ou dor no peito procure assistência médica, não esperar muito, esperar pode ser fatal.

Dr-Luis-ArtigosCAUSAS DE DOR TORÁCICA NÃO CARDÍACA

Existem duas situações que provocam dor na região do tórax, mas que não tem origem no coração e representam verdadeiras emergências são: Dissecção da Aorta e Pneumotórax espontâneo.

Também existem outras causas de dor torácica não cardíaca como refluxo gastro esofágico, esofagite, gastrite, pancreatite, costocondrite, lesões musculares, fibromialgia, herpes zoster, síndrome de pânico.

Pessoas com crises de ansiedade, síndrome de pânico, depressão e hipocondria também costumam apresentar dores no peito com frequência.

Outra causa comum de dor na região das costelas, mas que pode ser confundida com dor torácica, e a dor que ocorre após exercício físico extenuante.

 [print-me]

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informações para contato

Mobile: (69) 9 9929-6909

Web: rondoniaempauta.com.br