82% dos criadouros de mosquitos estão em quintais de casas habitadas: conscientização evita proliferação da doença

Enquanto o mundo enfrenta a pandemia do coronavírus (covid-19), o Brasil e Vilhena enfrentam outro desafio importante: a luta contra a dengue. O número de casos no país e na cidade cresceu vertiginosamente nos últimos meses e agora a Secretaria Municipal de Saúde, em parceria com o Governo do Estado, iniciam nesta quarta-feira, 25, campanha de controle dos focos de dengue no município.

A partir desta quarta-feira a Prefeitura inicia uma grande operação de combate aos mosquitos Aedes aegypti, vetores de transmissão da dengue. A ação começa pelos bairros com mais casos notificados: Centro, Jardim Eldorado, 5° BEC, Cristo Rei, Jardim das Oliveiras e Alto Alegre.

De acordo com o técnico em saúde pública da Prefeitura, Paulo Cremasco, a operação conta com o reforço de dois veículos cedidos pela Agevisa (Agência Estadual de Vigilância em Saúde) equipados com aplicadores de inseticidas. “O fumacê indiscriminado em toda a cidade foi abolido, mas quando surgem focos, a Saúde providencia a aplicaão de inseticida de forma controlada nos locais onde há focos confirmados de dengue. É o que faremos nos próximos 10 dias, aproximadamente, sempre no início da manhã e da noite”, revela.

Através do mapeamento dos casos confirmados, a Secretaria Municipal de Saúde mobilizou o setor de Endemias e os agentes comunitários de saúde para a iniciativa. De acordo com o Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa) da Prefeitura, 82% dos criadouros de mosquitos no município estão dentro de quintais de casas habitadas. Atualmente há cerca de 2 mil casas no município que têm criadouros de Aedes

A taxa de mortalidade da dengue (3,8%) é semelhante à do coronavírus (covid-19). Além disso, há quatro tipos diferentes de vírus da dengue: isso significa que a mesma pessoa pode ser infectada quatro vezes pela doença, que em todos elas pode evoluir para dengue hemorrágica.

Uma campanha de conscientização também está sendo feita por meio das redes sociais, rádios e imprensa local, por meio de avisos que pedem que a população colabore com a Saúde pública aproveitando o período de quarentena para limpar os quintais, acondicionar o lixo em sacolas bem fechadas e evitar o acúmulo de água em seus quintais.

Semcom