Hipotireoidismo; boletim médico do Dr. Luis Valdez

2013-07-03T15:38:59+00:0003 julho, 2013|

hipertireoidismo[dropcap]O[/dropcap] Hipotireoidismo se torna mais conhecido e vira notícia importante na mídia quando o jogador de futebol Ronaldo anuncia que está  afetado pela doença, ele sentia falta de energia , cansaço e sono inexplicáveis e apresentava excesso de peso o que vinha prejudicando sua atuação como jogador de futebol.

Fernanda Souza, atriz, apresentara desânimo, cansaço, mal estar e o corpo inchado, a atriz procurou ajuda médica e descobriu que  o causante de seus  sintomas era o Hipotireoidismo, ela recebeu tratamento, recuperou a energia e baixou de peso.

O Hipotireoidismo é uma doença na qual a glândula tireóide produz quantidades insuficientes de seus hormônios, T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). Consequência desta produção deficiente dos hormônios tireoidianos, pela glândula tireóide, é a lentificação dos processos metabólicos.

A doença é mais comum em mulheres, mas pode aparecer em qualquer idade desde o recém-nascido com hipotireoidismo congênito até o idoso. Em crianças e lactantes o Hipotireoidismo leva à restrição do crescimento e do desenvolvimento.

 Em recém-nascidos o Hipotireoidismo pode ser diagnosticado através da triagem neonatal pelo “Teste do Pezinho”.   O teste do pezinho deve ser feito principalmente, entre o terceiro e o sétimo dia de vida do bebê. Em caso de resposta positiva ao Hipotireoidismo Congênito, o tratamento precisa ser iniciado imediatamente, sob rigoroso controle médico, para evitar suas consequências, entre elas o retardo mental.  A cada 4.000 nascimentos é diagnosticado um caso de Hipotireoidismo congênito.

Em adultos, na maioria das vezes, o Hipotireoidismo é causado por uma inflamação da glândula tireóide denominada Tireoidite de Hashimoto. Costuma apresentar-se com Bócio. Bócio é o nome dado ao aumento do tamanho ou crescimento da glândula tireóide que é facilmente visível ou perceptível na região anterior do pescoço.

O Hipotireoidismo pode afetar todos os sistemas de órgãos. Pacientes Hipotireoideios são frequentemente apáticos, anoréticos e sonolentos, têm um metabolismo lento, que produz pouco calor, sentem frio. O ganho de peso é modesto mais pela retenção de água, líquidos.

Os pacientes andam e vivem numa velocidade mais lenta que os demais.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

 Como os hormônios tireóideos são essências ao nosso metabolismo a falta dos mesmos provoca sinais e sintomas de um metabolismo lentificado (lento).

Os sintomas variam como intolerância ao frio, o paciente sentirá muito frio, pode ter rigidez muscular e espasmos, especialmente quando realiza movimentos e estiver  frio.

A pessoa apresenta cansaço, encontra-se sonolento e lentificado intelectualmente, tem movimentos lentos, desânimo, dificuldade de concentração, memória fraca.

 Acontece que os pacientes vão ao supermercado de carro ou bicicleta e voltam a casa a pé porque esquecerem a bicicleta ou carro no supermercado.

Apresentam ganho de peso em decorrência da lentidão do metabolismo.  A maioria dos pacientes ganha de 5 a 10 kg, embora o apetite esteja normal, ou até mesmo menor que o habitual. No entanto vale salientar que o problema não causa obesidade.  Os pacientes ficam edemaciados inchados e não com excesso de gordura.

As pessoas com Hipotireoidismo podem apresentar câimbras, dores nas pernas, dores de cabeça, unhas quebradiças, dificuldade para caminhar, inchaço, alteração menstrual, e pele seca que descascara, o cabelo é seco e quebradiço e a parte externa das sobrancelhas pode desaparecer.

Ao ser diagnosticado, o Hipotireoidismo é classificado como primário e secundário. O primário e o mais frequente equivale a 95% dos casos. O problema está na própria glândula tireóide, por exemplo Tireoidite de Hashimoto. No Hipotireoidismo secundário o problema esta na Hipófise do Cérebro.

Independentemente do tipo de Hipotireoidismo, o tratamento é feito com reposição hormonal em forma  de comprimidos orais, uso diário de levotiroxina em doses prescritas pelo médico.

Dr-Luis-ArtigosHIPOTIREOIDISMO NA GESTAÇÃO

Devido às complicações do Hipotireoidismo materno para o feto é recomendado o rastreamento universal da função tireóidea no pré-natal.  O Hipotireoidismo materno está associado a abortamento espontâneo de primeiro trimestre, parto prematuro, baixo peso ao nascimento. A maioria das pacientes com Hipotireoidismo já está tomando Levotiroxina quando engravida. E não pode suspender o medicamento de reposição hormonal, porque os hormônios tireoideios são extremamente importantes para o bom desenvolvimento do feto.

É preciso um volume maior de hormônio circulante porque a tireóide fetal se forma entre a 10ª e 14ª  semana de gestação e a produção de hormônio tireoidiano fetal inicia-se entre a 18º e 20ª semana.  Então, nesse período é o hormônio da mãe que supre o bebe em formação.

Um comentario

  1. Juliana Porto Gusman 17 setembro, 2013 at 6:08 pm

    Excelente matéria. Parabéns Dr. Luiz Alberto por esclarecer e exemplificar o hipotiroidismo.

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.