Feito na Europa, esse é o primeiro grande estudo a comprovar que o coronavírus causa predominantemente doenças leves nos pequenos

Quatro pacientes morreram durante o período do estudo, dois dos quais tinham condições médicas pré-existentes, o que corresponde a uma taxa de mortalidade de 0,69%. Reprodução/Getty Images

Um estudo publicado nesta quinta-feira, 25, no periódico científico The Lancet Child & Adolescent Health comprovou que a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, tende a ser leve em crianças e fatalidades são muito raras. De acordo com os pesquisadores do Instituto Great Ormond Street de Saúde Infantil da Universidade College London, no Reino Unido, que lideraram a análise, esse é o estudo mais abrangente sobre a doença em crianças feito até então.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas analisaram 582 crianças e adolescentes, com idade entre 3 dias a 18 anos, da Europa. Todos os pacientes foram atendidos em hospital e realizaram teste PCR-RT para Covid-19. O estudo foi realizado durante um período de 3,5 semanas, de 1 a 24 de abril de 2020, ou seja, durante o pico inicial da pandemia na Europa.

Os pacientes analisados vieram de 82 instituições de saúde especializadas em 25 países europeus. Os resultados mostraram que 62% dos pacientes precisaram ser internados no hospital e cerca de 8% precisaram de terapia intensiva. Apenas 25% tinham condições médicas pré-existentes. Isso contrasta com estudos em adultos, nos quais a proporção de pacientes com comorbidades é tipicamente muito maior. Mas os autores ressaltam que as crianças têm menos problemas médicos crônicos do que os adultos na população em geral.

Os resultados mostraram que o sintoma mais comum relatado foi febre (65% dos pacientes). Cerca de metade das crianças apresentava sinais de infecção do trato respiratório superior e um quarto apresentava evidências de pneumonia. Sintomas gastrointestinais foram relatados em 22%  das crianças e cerca de 30% dessas não apresentaram sequer sintomas respiratórios. Cerca de 92 crianças, a maioria das quais foram testadas devido ao contato próximo com um caso confirmado de Covid-19, eram assintomáticas.

A maioria (67%) dos pacientes precisou ser internada, mas poucos (13%) precisaram de oxigênio ou qualquer outro suporte para ajudá-los a respirar em qualquer estágio. Menos de um em cada dez pacientes necessitou de tratamento em terapia intensiva e 4% – metade dos que foram para a UTI – precisavam de ventilação mecânica. Por outro lado, quando precisavam, esse apoio era tipicamente necessário por um período prolongado, geralmente por uma semana ou mais.

De acordo com os autores, embora a taxa de pacientes em UTI seja significativa, o fato de o estudo ser baseado em crianças que procuraram ajuda médica e foram testados para o Covid-19, e assim casos mais leves não teriam sido incluídos. “Nosso estudo fornece a visão mais abrangente da Covid-19 em crianças e adolescentes até o momento. Fomos tranquilizados ao observar que a taxa de mortalidade de casos em nossa coorte era muito baixa e provavelmente ainda é substancialmente mais baixa, dado que muitas crianças com doença leve não teriam sido levadas à atenção médica e, portanto, não incluídas neste estudo. No geral, a grande maioria das crianças e jovens experimenta apenas doenças leves. No entanto, um número notável de crianças desenvolve doenças graves e requer apoio de terapia intensiva, e isso deve ser levado em consideração ao planejar e priorizar os recursos de saúde à medida que a pandemia avança. ”, disse Marc Tebruegge, principal autor do estudo e pesquisador do Instituto de Saúde Infantil Great Ormond Street da UCL em Londres, Reino Unido.

Quatro pacientes morreram durante o período do estudo, dois dos quais tinham condições médicas pré-existentes, o que corresponde a uma taxa de mortalidade de 0,69%. Todos os pacientes que morreram tinham mais de 10 anos de idade. Quando o estudo foi encerrado apenas 25 crianças ou 4% do total ainda apresentavam sintomas ou precisavam de apoio para a respiração.

Tratamento

Em relação ao tratamento, o número de pacientes que recebeu terapias antivirais ou imunomoduladoras foi muito baixo para tirar conclusões sobre a eficácia de qualquer um dos tratamentos utilizados. Os autores alertam para a necessidade de ensaios clínicos robustos em crianças para ajudar os médicos a tomar decisões sobre a melhor estratégia de tratamento para crianças.

“Embora a Covid-19 afete crianças com menos gravidade do que os adultos em geral, nosso estudo mostra que existem casos graves em todas as faixas etárias. Aqueles que têm problemas de saúde pré-existentes e crianças com menos de um mês de idade têm maior probabilidade de serem admitidos em terapia intensiva. São necessários estudos controlados randomizados e bem projetados sobre medicamentos antivirais e imunomoduladores em crianças para permitir decisões baseadas em evidências a respeito do tratamento para crianças com Covid-19 grave.”, ressalta Florian Götzinger, do Wilhelminenspital de Viena, Áustria.

Infecções simultâneas

Outro achado importante do estudo é que 29 (4,9%) crianças estavam infectadas com um ou mais vírus respiratórios ao mesmo tempo que o SARS-CoV-2, como vírus do resfriado ou gripe. Destas, 24% necessitaram de cuidados intensivos, em comparação com 7% das crianças infectadas apenas por coronavírus.

“Este é o primeiro estudo de crianças com Covid-19 a incluir dados de vários países e múltiplos centros. De notar, descobrimos que as crianças nas quais vírus adicionais foram detectados no trato respiratório ao mesmo tempo que a SARS-CoV-2 eram mais propensas a serem admitidas em terapia intensiva. Isso pode ter implicações importantes para a próxima temporada de inverno, quando as infecções por gripes e resfriados serão mais comuns. ”, disse Begoña Santiago-Garcia, do Hospital Universitário Gregorio Marañón, em Madri, na Espanha.

Na época em que o estudo foi realizado, a capacidade de teste em muitos países europeus era menor do que a demanda, e muitas crianças com Covid-19 e sintomas leves não foram testadas ou diagnosticadas. Além disso, os países estavam usando critérios diferentes para rastrear o vírus SARS-CoV-2. Alguns estavam examinando todas as crianças internadas no hospital, enquanto outros eram mais seletivos nos quais os pacientes receberam um teste.

De acordo com os autores, essa falta de padronização dificulta a generalização dos resultados, mas a verdadeira taxa de mortalidade de casos em crianças é provavelmente substancialmente menor do que a observada neste estudo.

Da Veja.com