malaguetaPobre polêmica, os nomes para nossas escolas e instituições

Hipocrisia, casuísmo político, legislando em causa própria, falta de espírito cívico, aproveitadores de plantão e até falta de vergonha na cara. É assim que a maioria das pessoas sérias e honestas classificam políticos e personalidades com cargos públicos, que se utilizam os mesmos para homenagear seus parentes nomeando escolas, praças, avenidas, etc. Milhares de pessoas fundaram este Estado e deram origem ao município de Vilhena, porém os políticos desconhecendo este fato tripudiam sobre a consciência histórica das famílias e pessoas, e indicam seus parentes como se fossem os únicos na construção e colonização deste Estado e seus municípios. Chega a ser patética a polêmica plantada sobre os nomes das escolas. Temos tantas coisas para resolver… Sentimos vergonha, pois políticos sempre são péssimos exemplos. Uma parte acaba sendo levada às raias da justiça e pequena parte para a cadeia. A comunidade escolar fica em péssima situação, pois a escola e seu bom nome deveria representar o que há de melhor em sua sociedade e cultura e não o pior. Escola tem que ter um nome que antes de tudo represente os valores éticos e morais, ser fundador de uma cidade por si só não representa este ideal. Vilhena e Rondônia possuem centenas de milhares de opções para isto, porém como nossos legisladores, prefeitos e políticos em geral só pensam em si, até nestas horas, nomeiam seus parentes para aquilo que é da cidade e ficará para sempre, eles passarão o nome feio não.
Esta prática é mais um motivo para desconfiarmos de suas ações. Nenhum político deveria homenagear seus parentes para instituições públicas. Cada rua tem seus moradores e eles deveriam ser consultados, pois a vergonha de um nome cuja pessoa depois se envolve em corrupção, pedofilia, tráfico de drogas, escândalo sexuais etc; ficam nas costas dos moradores e usuários das praças, ruas, avenidas, escolas, postos de saúde. Nomear uma escola com um Donadon, Rover, Sarney, Raupp, Cassol, etc; já seria equivocado, nomear todos os ancestrais do clã Donadon, foi o mesmo que dizer: somente esta família é cheirosa, bonita, honesta, ordeira, cristã, moralista e merecedora de tal honraria.
Para a sociedade fica o sentimento de vergonha e muita tristeza por ver que seus antepassados foram discriminados. É preciso um basta nesta prática. Se alguém propuser o nome de políticos, o ideal é que seja para um presídio, cadeia ou prisão. Com certeza a sociedade em peso vai apoiar, pois assim os nomes terão simbiose, conformidade e profunda relação.
Caso queiram propostas de grandes nomes e grandes pessoas honradas para nomear ruas praças e avenidas podemos cooperar é só entrar em contato com o rondoniaempauta.

Grupo de Teatro Wankabuki, um orgulho para Vilhena
O grupo teatral Wankabuki tem se destacado nos últimos anos no fazer teatral em Vilhena. Seu trabalho é reconhecido pelos amantes das artes cênicas, suas apresentações são assistidas por centenas de pessoas que com certeza reconhecem seu amor e dedicação a cultura. O grupo é reconhecido em Porto Velho como um dos grandes expoentes culturais do Estado. Parabéns aos artistas e a diretora do grupo professora Valdete. Triste saber que o poder público não apoia e às vezes até atrapalha. A FCV, Fundação Cultural de Vilhena não ajuda, não apoia e, portanto não deve gostar de teatro. Pedimos aos artistas que se organizem e cobrem da Fundação o cumprimento do seu papel. A FCV que foi muito dedicada e caridosa doando dinheiro público, nosso para os ricos proprietários rurais ao fazer doação para a Expovil e CTG, deveria também movimentar seu conselho deliberativo composto por pessoas de grande destaque em nossa sociedade e adotar a mesma política para os militantes do teatro, música, artes plástica e artesanato.

Periferia de Vilhena “pobre povo sem socorro”
A prefeitura de Vilhena esnoba seus munícipes. É só passear pela cidade, principalmente na zona periférica que representa mais de 75% da área urbana, para viver a dolorosa experiência do abandono. Quem anda a pé, bicicleta e moto são os mais prejudicados, de carro a coisa também é muito complicada. Um morador do setor 19 me informou acreditar que parte das oficinas mecânicas da cidade deve ser composta por “laranjas” da atual administração, pois os mesmos estão vivendo um momento de altos rendimentos em função da quebradeira de automóveis nas ruas desassistidas, esburacadas e abandonadas pelo poder público. Não acredito que existam estes laranjas, deve ser piada de mau gosto, porém que as oficinas estão lucrando muito não temos duvidas. As declarações feitas em um site pelo responsável pela pasta de manutenção das ruas e avenidas pedindo calma e paciência foi de muito, muito mau gosto.

Cidade feia
Quando viajamos para as cidades do sul do Brasil, ficamos felizes com as cidades organizadas limpas e arborizadas, cidades como Maringá, Curitiba, João Pessoa no nordeste, Londrina no Paraná são alguns belos exemplos, mais próximo temos Lucas do Rio Verde, Tangará da Serra e em Rondônia Ouro Preto do Oeste, cidade que se firma como a mais bem administrada do Estado. Para uma cidade se destacar, os quesitos beleza, paisagismo e limpeza urbana são fundamentais. Os municípios brasileiros estão descobrindo que ações públicas precisam ser acompanhadas por ações privadas e é fundamental a atuação do munícipe. Leis precisam ser aplicadas no sentido de se cobrar do cidadão zelo por sua casa, calçada, terreno. Várias leis, implementadas pelas Câmaras de Vereadores nos municípios indicados, acabam por solucionar problemas crônicos. Nas cidades de primeiro mundo as propriedades urbanas sem construção são obrigadas a manterem jardins e grama bem cuidada no terreno e durante a construção do imóvel o entulho não pode ficar nas calçadas e ruas sob pena de levarem severas multas. É assim que pequenas e grandes cidades do mundo se destacam em beleza e harmonia, outra coisa importante é o paisagismo, quaisquer cidades europeias e americanas ficam com dez neste quesito. Vilhena possui condições para se destacar, porém o poder público é muito ruim. A atual gestão mal consegue recolher o lixo nas casas, em algumas o caminhão passa uma vez por semana e olha lá. Vários especialistas estão disponíveis no mercado estadual e nacional, estes poderiam ser consultados para planejarem um modelo coerente com nosso bioma. Nossa cidade é feia, suja e isso é ofensivo às pessoas que aqui residem. Que os gestores acordem, tomem tento, pois ninguém, com bom juízo gosta ou sente prazer em ficar criticando o tempo todo. Queria elogiar mais é difícil com tantos desmandos, comissionados, portariados, mentiras, promessas não cumpridas etc. Haja paciência.

Após mais dois anos sem atividades a AVL volta com novos membros
A AVL, Academia Vilhenense de Letras, que não atua há mais de dois anos, parece que desencalha em 2014. Novos membros estão sendo arregimentados, pois um número significante de invencíveis, ops, imortais, resolveram abandonar a “nobre Arcádia”. Seria muito bom, e fica como sugestão, um evento da instituição apresentando seus antigos e novos membros com suas respectivas obras literárias e ações em prol da literatura vilhenense. Fica a dica!