Os 9 casos de crimes contra a vida serão julgados por um conselho de sentença (jurados), presidido pelo juiz José Gonçalves da Silva Filho

Entre os dias 15 e 29 deste mês, 9 casos de crimes contra a vida serão julgados por um conselho de sentença (jurados), presidido pelo juiz José Gonçalves da Silva Filho, titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Porto Velho-RO.

O primeiro caso refere-se a uma tentativa de homicídio por vingança. José Idalécio Araújo Lopes, que responde, em liberdade, ao processo n. 0009230-30.2003.8.22.0501, vai a julgamento no dia 15, sob acusação de ter dado 5 tiros contra Maria Fatima Rodrigues. Conforme a sentença de pronúncia, a tentativa ocorreu porque a vítima havia registrado uma ocorrência policial, a qual motivou a condução do réu à presença de um juiz. Revoltado, tentou tirar a vida da Maria de Fátima. Dos 5 tiros, apenas um a atingiu. O caso ocorreu no dia 22 de dezembro de 2002, na Rua Bom Jesus, Bairro Castanheira, em Porto Velho.

No dia seguinte, 16, sentará na cadeira dos réus Felipe Alexsandro Lima Batista, que responde por tentativa de homicídio por motivo fútil. Segundo a sentença de pronúncia, o acusado, por não aceitar o relacionamento da sua ex-namorada com a vítima, Marcelo Viriato dos Anjos, deu vários tiros contra ele, o qual atingiu no abdômen. O crime aconteceu na Rua Antônio Violão com Rua Lauro Alencar, Bairro JK, município de Porto Velho, no dia 11 de maio de 2013. O acusado responde ao Processo n. 0014337-06.2013.8.22.0501, solto.

Dia 17, vai a julgamento, no Processo n. 0017405-85.2018.8.22.0501, Anderson Ricardo Costa da Silva Barros (o Dudu). Ele responde, preso, sob acusação de ter tentado matar com vários cortes de facão Eziomar Limas dos Reis. Segundo a pronúncia, o acusado entrou na casa da vítima sem que esta tenha visto, e, repentinamente, agrediu Eziomar. Após o delito, o acusado fugiu. A sentença de pronúncia não explica a motivação do crime, que ocorreu no do dia 12 de dezembro de 2018, na residência localizada na Rua Suriname, Bairro Embratel, nesta Capital.

Luiz Carlos de Queiroz (o Mata Égua) vai a julgamento no dia 18. Ele é acusado de ter matado com vários tiros, no dia 23 de julho de 2017, Valdeir Aparecido de Lima. O crime aconteceu na Avenida Calama, Bairro Planalto, em Porto Velho. Segundo a sentença de pronúncia, “na ocasião dos fatos, a vítima e o denunciado, na presença de três pessoas, estavam negociando a venda de cavalos, quando, logo após um desentendimento, o denunciado, fazendo uso de um revólver, efetuou dois disparos contra a vítima, evadindo-se do local em seguida. O denunciado agiu por motivo fútil, pois a vítima apenas havia lhe negado a retirada de um dos animais do local em que aconteceram os fatos. Luiz Carlos responde em liberdade ao Processo: 1011614-55.2017.8.22.0501.

No dia 22 será a vez de Francisco José Cardoso (o Chico dos Óculos) a ir a julgamento. O acusado responde em liberdade ao Processo n. 0005199-39.2018.8.22.0501. Ele é acusado de matar Julimar Tavares de Almeida (conhecido como “Rato”), por rixa. Segundo a sentença de pronúncia, o Chico dos Óculos matou o Rato com tiro de espingarda calibre 28. A vítima foi atingida em seu próprio estabelecimento comercial, o “Bar do Rato”, quando estava deitada em uma rede. Chico dos Óculos fugiu. O crime foi “no dia 14 de agosto de 2017, por volta das 14 horas, na Rua Zacarias Vicente dos Santos, subesquina da Rua T