Ladrão foi encontrado em sua casa no Centro de Vilhena e confessou ter participado do assalto.

Orlei disse que não atirou contra os policiais, ele era o motorista na hora da fuga

Orlei disse que não atirou contra os policiais, ele era o motorista na hora da fuga

[pullquote]Ladrões tentaram fugir pela BR-364, sentido Mato Grosso. Para não serem capturados, deflagraram tiros contra a Polícia Rodoviária Federal.[/pullquote]

O roubo aconteceu por volta das 21h30 deste sábado (8) na residência localizada na Av. 1713, número 1875 no Setor 17 de Vilhena.

Antônio Florentino Pereira, 54 anos, voltou para casa após fazer o último frete do dia em sua caminhonete F-4000 e acabava de deitar em sua cama após tomar um banho. Nesse momento três elementos chegaram em sua casa pedindo um frete para Colorado do Oeste. Antônio recusou, pois estava cansado, e disse que faria o frete no dia seguinte.

Os três rapazes pediram o número telefônico de Antônio para entrar em contato. Quando ele entrou para pegar um papel e caneta para anotar o número, os ladrões o empurraram e anunciaram o assalto.

“Um deles estava armado. Consegui bater a mão no revólver, quando eu estava dominando um veio o segundo, daí vieram os três. Eles queriam a moto também. Ao me dominarem com uma coronhada, minha mulher gritou e não a vi mais. Ligaram a caminhonete e saíram”, explica Antônio.

Os ladrões abriram o portão, ligaram a caminhonete F-4000, beige, AAN-2541, que estava com a chave na ignição, e fugiram. Antônio não viu sua esposa Iracema Gessi Pereira, 53 anos, e pensou que ela tinha sido sequestrada. Foi quando acionou a polícia.

Rafael Moura Santos

Rafael Moura Santos

Antônio foi junto com a polícia no encalço dos ladrões pela cidade. A polícia rodoviária federal (PRF) foi alertada e observou a caminhonete saindo do estado, rumo Mato Grosso. A PRF os perseguiu até 14 quilômetros na BR-174/MT onde, após troca de tiros, prenderam um deles, Rafael Moura Santos, que foi reconhecido por Antônio, pois já havia participado da igreja que ele frequenta. Os outros dois agentes se embrenharam na mata.

imageIracema, ao perceber o assalto, havia pulado o muro da casa e fugido. Ela não era refém dos assaltantes, para felicidade de Antônio. Familiares a levaram ao Hospital Regional, pois ela já foi operada duas vezes por causa de câncer no ovário. Ela estava bem, mas muito nervosa.

Na manhã desta segunda-feira (10) o Núcleo de Inteligência da Polícia Militar foi até a casa de Orlei Magalhães Moreira, 23 anos, vulgo “Polaco”, na sua casa localizada na rua Rosilene de Castro, número 1184, no Centro de Vilhena. Ele confessou ter participado do assalto, mas disse que era o motorista e não deflagrou tiros contra a Polícia Rodoviária Federal. Ele receberia R$3 mil por levar a caminhonete até Campos de Julho no Mato Grosso. “A polícia atirou, uma bala passou perto da minha orelha, mas não abaixei a cabeça. Me embrenhei no mato e voltei de carona com um caminhoneiro”, disse Polaco ao Rondônia em pauta. Ele já trabalhou no SAAE.

Um terceiro ladrão está ainda foragido e a polícia segue com as investigações para prendê-lo. Ele não estava na caminhonete na hora da fuga, informou Orlei.

Por Hernán Lagos
Jornalista profissional