sexta-feira, 12 abril, 2024
Sexta-feira, 12 de abril de 2024 - E-mail: [email protected] - WhatsApp (69) 9 9929-6909



VÍDEO: Adolescente autista fratura pé esquerdo e hospital engessa pé direito em Vilhena

Menino tem transtorno do espectro autista (TEA). Funcionário responsável foi advertido e afastado.

Adolescente fratura pé esquerdo, mas hospital engessa pé direito em Vilhena — Foto: Redes Sociais/Reprodução

Um vídeo que viralizou nas redes sociais esta semana mostra um adolescente que teve o pé engessado “por engano” em uma Unidade de Pronto Atendimento de Vilhena (RO). O menino, que tem transtorno do espectro autista (TEA), fraturou o pé direito, mas teve o pé esquerdo engessado.

A Santa Casa de Chavantes, instituição gestora de saúde em Vilhena, confirmou o caso ao g1 e informou que o erro foi percebido e corrigido no mesmo dia. O funcionário responsável foi advertido e afastado da unidade.

O adolescente, acompanhado de responsáveis, procurou a UPA durante o último fim de semana. Na unidade foi feito um Raio X que revelou uma fratura na tíbia esquerda. O menino foi encaminhado para o técnico de imobilização, responsável pelo gesso.

No vídeo que circula nas redes sociais, uma voz narra que o médico (técnico de imobilização) não olhou o Raio-X antes de engessar o pé da criança. Quando a família percebeu o erro, retornou à UPA em busca de uma solução.

Segundo a Santa Casa, assim que o erro foi identificado, a mãe da criança foi convidada a comparecer no Hospital Regional de Vilhena para que um médico pudesse corrigir o gesso.

“A Santa Casa tomou as providências técnicas necessárias ainda no sábado, convidando a mãe do paciente a retornar ao Hospital para a revisão do atendimento, o que foi feito de imediato sem nenhum desconforto ou sequelas”, informou.

Ainda conforme a administradora da saúde em Vilhena, o técnico de imobilização é um servidor público municipal de carreira há nove anos. A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informou que determinou a abertura de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD), para apurar o caso e responsabilizar o servidor de acordo com a legislação.

Assista ao vídeo:


Por Jaíne Quele Cruz, g1 RO




Mais notícias





Veja também

Pular para a barra de ferramentas